Operação conjunta solicita medidas emergenciais na região das Serras Gerais

Em uma operação conjunta, coordenada pela superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama/TO) e com o apoio do Governo do Tocantins, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) e do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), técnicos e fiscais dos referidos órgãos visitaram fazendas na Serras Gerais, sudeste do Estado, região limítrofe entre o Tocantins e a Bahia.

As equipes, que estiveram a campo entre os dias 11 e 15 deste mês, averiguaram impactos ambientais que estão afetando a bacia do Rio Palma. Os fiscais constataram que os córregos estão sendo assoreados por causa do processo erosivo nas escarpas das Serras Gerais ocasionados pelas atividades agrícolas de fazendas da Bahia.

Segundo o gerente de fiscalização do Ibama, Carlos Vinícius, os danos iniciaram no topo da serra, no estado da Bahia, provavelmente ocasionados pelas atividades agrícolas, provocando o desmoronamento das encostas da serra no Tocantins e levando ao assoreamento de córregos e nascentes.

Durante a operação, o Ibama emitiu notificação aos proprietários rurais e solicitou medidas emergenciais de recuperação para mitigar os impactos da erosão, que devem ser implementadas nos próximos 30 dias, tais como: instalação de barreiras para conter as erosões, execução de obras de curvas de níveis (terraceamento) e reflorestamento para recuperação das áreas afetadas visando conter o processo erosivo, principalmente no período chuvoso que se iniciou.

“Constatamos que os danos são bem severos e estivemos no local, junto com a Semarh e o Naturatins, na tentativa de identificar estes impactos e os responsáveis para impor as sanções administrativas cabíveis e notificá-los para que tomem as medidas necessárias para a reparação dos danos de forma emergencial”, afirmou Carlos Vinícius, reiterando que o Ibama e os órgão estaduais estão empenhados em buscar soluções para o problema.

Pela Semarh, a operação foi acompanhada pela diretora de Inteligência Ambiental, Clima e Florestas, Cristiane Peres, que reforçou a necessidade de verificar in loco os danos causados na encosta da serra, bem como colaborar com o Ibama na proposição das medidas de mitigação cabíveis.

“A pedido do secretário Marcelo Lelis, buscamos também fortalecer a parceria entre as instituições, de forma integrada, principalmente nesta área das Serras Gerais, um local bem sensível ecologicamente e bem importante por ser uma região turística, por isso é fundamental termos a visão das três áreas”, afirmou.

Acompanharam ainda a operação os analistas ambientais do Ibama Edivaldo Dias Barbosa, Jorge Zaidam e Felipe Lima Brito; e, pelo Naturatins, Romário Pessoa Maracaípe e Maykon Daybson Cordeiro.

Foto: Jordana Capistrano/Secom-TO)
Banner825x120 Rodapé Matérias
Fonte conexaoto
você pode gostar também
×