46% dos moradores de favela relatam dificuldades para comprar comida

Pesquisa realizada pela FGV mostra que 45% dos entrevistados ficaram sem emprego durante a pandemia

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Cerca de 46,5% dos moradores das favelas brasileiras relataram que estão com dificuldades para comprar alimentos, de acordo com um levantamento realizado pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) em parceria com a ONG Teto. Essa parcela é semelhante à porcentagem da população (45%) dessas comunidades que ficaram sem trabalho durante a pandemia. Eis a íntegra (23 KB).

A pesquisa foi realizada em 2020 em favelas de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Paraná e Minas Gerais. Os pesquisadores dividiram o estudo em 7 temas: infraestrutura, isolamento social, saúde mental, vulnerabilidades econômica e social, políticas públicas, solidariedade e capacidade comunitária.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Além de terem dificuldades para comprar comida, 58% dos moradores afirmaram que deixaram de comprar os alimentos habituais da sua rotina antes da pandemia. Durante o período, 60% dos entrevistados receberam o Auxílio Emergencial e 56% receberam ajuda de entidades solidárias.

Entre as dificuldades enfrentadas por causa do isolamento social, os moradores citaram falta de lazer (30%), carência de trabalho e renda (22,7%), solidão e depressão (14,7%), infraestrutura da moradia (5,6%) e fome (2,7%).

Ainda de acordo com o estudo, só 9% dos entrevistaram afirmaram que aderiram ao isolamento social. Os entrevistados afirmaram que saíam de casa, sobretudo, para trabalhar (25%) e comprar comida (39%).

Apesar do baixo índice de isolamento, a maior parte dos moradores disseram ter usado máscaras (72%), lavado as mãos (55%) e usado álcool gel (55%).

Fonte poder360
você pode gostar também