Altos níveis de cortisol aumentam risco de morte por Covid-19

Estudo britânico conclui que grandes quantidades do "hormônio do estresse" no sangue são particularmente perigosos para pacientes infectados pelo novo coronavírus

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Pacientes de Covid-19 com níveis altos do hormônio cortisol (relacionado ao estresse) no sangue têm maior probabilidade de morrer pela infecção causada pelo novo coronavírus. A conclusão foi resultado de um estudo liderado pelo Imperial College London, na Inglaterra, e publicada no The Lancetem 18 de junho.

O cortisol é produzido pelo organismo em resposta ao estresse (como o causado por doenças, por exemplo), desencadeando alterações no metabolismo, na função cardíaca e no sistema imunológico para ajudar nosso corpo. Em pessoas saudáveis, os níveis do hormônio em repouso são 100-200 nm/L e quase zero quando estão dormindo — níveis mais baixos ou mais altos de cortisol, entretanto, podem ser perigosos.

O novo estudo observou 535 pacientes, dos quais 403 tinham Covid-19 — e níveis de cortisol significativamente maiores do que naqueles sem a doença. Os níveis de cortisol no sangue dos infectados com o novo coronavírus chegaram a até 3.241, taxa consideravelmente mais alta do que as produzidas pelo corpo após uma grande cirurgia, por exemplo, quando os níveis podem chegar a 1.000.

Além disso, entre os pacientes com Covid-19, aqueles com nível basal de cortisol de 744 ou menos sobreviveram em média por 36 dias. Enquanto isso, os com níveis acima de 744 tiveram uma sobrevida média de apenas 15 dias. “Do ponto de vista do endocrinologista, faz sentido que os pacientes com Covid-19 mais doentes tenham níveis mais altos de cortisol, mas esses níveis são preocupantemente altos”, disse Waljit Dhillo, líder do estudo, em comunicado.

Para Dhillo, “ter um indicador precoce de quais pacientes podem se deteriorar mais rapidamente nos ajudará a fornecer o melhor nível de atendimento o mais rápido possível, além de ajudar a gerenciar a pressão sobre o sistema de saúde”, afirmou. “Além disso, podemos levar em consideração os níveis de cortisol quando estamos trabalhando na melhor forma de tratar nossos pacientes.”

Fonte globo
você pode gostar também