Irritação com Raquel Dodge leva Bolsonaro a antecipar vetos e anunciar o novo procurador-geral da República

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O presidente Jair Bolsonaro ficou irritadíssimo ao saber que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, nomeou, nos últimos dias, seis procuradores com mandatos para cargos estratégicos no Ministério Público Federal.

Em reação, Bolsonaro antecipou na manhã desta terça-feira (03), ao jornal Folha de S.Paulo, que deve indicar até quinta-feira (05) o novo chefe da PGR (Procuradoria-Geral da República). Há expectativa de que pode fazê-lo até mesmo antes.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Bolsonaro teme reações negativas ao fato de não respeitar a lista tríplice do Ministério Público. Ele disse a assessores que pode divulgar, junto com o novo procurador-geral, os vetos à Lei do Abuso de Autoridade. A ideia, com os vetos, é atender aos principais pedidos do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e de entidades que representam policiais.

Mas isso deverá desagradar ao Congresso, especialmente ao Centrão e aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), principais defensores da aprovação da nova lei.

O presidente da República acredita que, com a divulgação no mesmo dia, talvez os grupos insatisfeitos com uma notícia se sintam recompensados com a outra. No último sábado (31), Bolsonaro recebeu no Palácio da Alvorada o subprocurador-geral da República Augusto Aras, um dos favoritos ao posto de Raquel Dodge. Essa foi a quinta vez que os dois se encontraram.

O presidente justifica a sua pressa por ter sido informado de que Raquel Dodge já recebeu a maioria das listas de indicados por eleições no Ministério Público para chefiar as Procuradorias da República nos Estados e no Distrito Federal. As informações são do blog do jornalista Tales Faria.

Fonte osul
você pode gostar também
×