Em rede social, Kátia Abreu diz que discurso de Bolsonaro prejudica o agronegócio

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


Em um vídeo de pouco mais de um minuto e meio, da senadora Kátia Abreu, no Twitter do PDT Senado, seu partido, ela faz críticas sobre a forma como o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se comporta e se manifesta perante a opinião pública. A publicação já teve mais de 290 mil visualizações, com grande repercussão dentro e fora das redes sociais. Em resumo, ela diz que as manifestações públicas de Jair Bolsonaro sobre o desmatamento da Amazônia prejudicam o setor do agronegócio.

O vídeo foi gravado na terça-feira, 06, no Plenário do Senado Federal, e a postagem nesta quarta-feira, dia 07. Para a senadora, o presidente brinca com a opinião pública quando não esclarece questões sobre a política ambiental e sobre a liberação de agrotóxicos, por exemplo.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“Eu tenho que explicar para essas pessoas com paciência e calma, porque usamos agroquímicos, porque eles são necessários, porque aprovamos essa quantidade. Agora as pessoas não entenderam nada. Agora, isso vai dar na cabeça dos produtores rurais. Aguardem! O desrespeito à Amazônia, o desrespeito ao não desmatamento, a questão dos agroquímicos. Todas as questões estão sendo relativizadas e tratadas no peito e na raça. Os nossos consumidores não querem saber disso, querem discurso equilibrado e civilizado”, avaliou.

Kátia Abreu disse ainda, que o Brasil é o maior exportador do mundo. Ela lembrou também do aumento da expectativa de vida da população. “E se nós estivéssemos envenenando as pessoas, nós não seríamos o campeão mundial de aumento de expectativa de vida; nós estaríamos era morrendo, em vez de viver mais”, afirmou.

Ela explicou que os agroquímicos usados no Brasil não são prejudiciais aos brasileiros, mas ainda há muita desinformação. “O governo precisa explicar à população sobre a necessidade do seu uso que garante comida de qualidade a preço baixo na mesa e mais renda para os produtores do campo”, apontou.

Ainda referindo-se a Jair Bolsonaro, a senadora disse que é preciso, sim, se preocupar com a opinião pública. “Acho que o presidente está brincando com a opinião pública. Eu procuro ser uma pessoa equilibrada e que respeita a opinião dos outros. Se as pessoas tem medo de agroquímicos, quem sou eu para dizer para elas com força e no peito e na raça que agroquímicos não fazem mal. As pessoas não entenderam nada, e depois vira (Bolsonaro) sátira na Rede Globo. Não quer virar sátira na Rede Globo não? Quer sim, pediu para virar”, indagou.

Acordo

A senadora lamenta que sucessivas as declarações do presidente vem logo após a negociação e um acordo de livre comércio, concluídos em 28 de junho, entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Europeia (UE). “Por que lá na Europa, isso é sério. E nós acabamos de aprovar o acordo (entre os dois blocos), aonde os agricultores estão em festa. Mas vão exportar o que pra lá? Eles odeiam agroquímico, eles odeiam transgênicos, e nós vamos fazer propaganda, como se isso fosse uma coisa relativizada, sem explicação e sem conversa e sem um diálogo com a sociedade”, lembrou.

 

você pode gostar também
×