Bolsonaro rompe o silêncio após derrota para Lula: ‘Dói na alma’

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Após 40 dias, o presidente Jair Bolsonaro rompeu o silêncio na sexta-feira (9) e disse que a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais “dói na alma”.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“Estou há praticamente 40 dias calado. Dói, dói na alma. Sempre fui uma pessoa feliz no meio de vocês, mesmo arriscando a minha vida no meio do povo”, disse Bolsonaro ao falar a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

“Alguns falam do meu silêncio. Há poucas semanas, se eu saísse aqui e desse bom dia, tudo seria deturpado, tudo seria distorcido”, justificou.

O presidente permaneceu em silêncio e quase sem agenda pública depois que Lula venceu o segundo turno, em 30 de outubro, por uma estreita margem: 50,9% a 49,1%.

Desde então, Bolsonaro participou de seu primeiro evento oficial em 26 de novembro em uma academia militar.

Após a derrota, milhares de apoiadores bloquearam rodovias e protestaram em frente a quartéis militares, pedindo uma intervenção das Forças Armadas para impedir a posse de Lula, em 1º de janeiro.

Bolsonaro considerou nesta sexta que “as Forças Armadas são essenciais em qualquer país do mundo (…), são o último obstáculo para o socialismo”.

O presidente disse, ainda, que “é o povo quem decide o destino”.

“Quem decide o meu futuro, para onde eu vou, são vocês. Quem decide para onde vão as Forças Armadas são vocês”, acrescentou, destacando que “vivemos um momento crucial, uma encruzilhada”.

Enquanto avança a transição, Lula anunciou os cinco primeiros ministros de seu gabinete: Fernando Haddad para a Fazenda, Rui Costa para a Casa Civil, Flávio Dino para a Justiça e Segurança Pública, José Múcio Monteiro para a Defesa e Mauro Vieira para as Relações Exteriores.

Fonte istoe
você pode gostar também
×