PF prende 11 que pretendiam resgatar Marcola e outros líderes do PCC de presídios

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


A Polícia Federal (PF) e o Departamento Penitenciário Nacional abriram na manhã desta quarta-feira, 10, uma operação para frustrar plano de resgate de líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) custodiados nas Penitenciárias Federais de Brasília, no Distrito Federal, e Porto Velho, em Rondônia. Entre os detentos que o grupo pretendia soltar está Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, chefe do PCC que tem mais de 300 anos de pena para cumprir e foi transferido para presídio no norte do País em março.

Outros líderes que os alvos da operação pretendiam resgatar são Edmar dos Santos, conhecido como Quirino, Cláudio Barbará da Silva, Reinaldo Teixeira dos Santos, Valdeci Alves dos Santos, o “Colorido”, e Esdras Augusto do Nascimento Júnior.
-- Publicidade --

-- Publicidade --

Batizada Operação Anjos da Guarda, a ofensiva cumpriu mandados de prisão preventiva contra 11 investigados, além de executar 13 ordens de busca e apreensão no Distrito Federal, em Mato Grosso do Sul (Campo Grande e Três Lagoas) e em São Paulo (na capital, Santos e Presidente Prudente).

De acordo com a PF, o plano dos integrantes do PCC “contava com uma rede de comunicação estabelecida entre advogados, que extrapolavam as suas atividades legais, ao transmitir tanto as cobranças dos custodiados quanto os retornos das mensagens dos criminosos envolvidos no resgate”.

“Para organizar as atividades ilícitas, os investigados se valiam dos atendimentos e das visitas em parlatório, usando como códigos para a comunicação situações jurídicas que, comprovadamente, não existiam de fato”, diz a corporação.

Além disso, os investigadores apontam que os alvos da ofensiva pretendiam “sequestrar autoridades para conseguir a soltura de criminosos”.

O nome da operação, Anjos da Guarda, faz referência aos servidores da Segurança Pública, “que se esforçam e se arriscam dia e noite para proteger a sociedade de criminosos”, indica a Polícia Federal.
Fonte istoe
você pode gostar também
×