Ex-jornalista de extrema-direita da França lança candidatura à presidência

Éric Zemmour é condenado por incitação ao ódio racial; disputa eleitorado com Marine Le Pen

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O ultradireitista francês Éric Zemmour, 63 anos, anunciou nesta 3ª feira (30.nov.2021) que concorrerá à presidência do país, marcada para abril de 2022. Nas redes sociais, publicou um vídeo dizendo querer “salvar” a França do “desaparecimento“.

O vídeo adota tom ultranacionalista e remete a marcos simbólicos do país, como o rádio usado pelo ex-presidente francês Charles de Gaulle durante a 2ª Guerra Mundial, o Palácio de Versalhes, Napoleão e a santa padroeira do país, Joana d’Arc. Em contraste, mostra em tom pejorativo cenas consideradas degradantes para a tradição francesa, como protestos dos coletes amarelos, acampamentos de imigrantes, ativistas do movimento LGBTQI+ e grupos muçulmanos em oração.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Éric Zemmour é filho de imigrantes argelinos e nunca concorreu a um cargo eletivo. Sairá como candidato independente. Na França, não há obrigatoriedade de filiação partidária para candidaturas.

O ex-jornalista do periódico conservador Le Figaro adquiriu notoriedade na política francesa pelas posições extremadas em relação à política de imigração do presidente Emmanuel Macron e declarações consideradas racistas e revisionistas quanto ao holocausto judeu. Zemmour também já foi duplamente condenado por incitação ao ódio racial e, em 2020, se referiu a crianças imigrantes desacompanhadas como “ladrões, assassinos e estupradores”.

A candidatura abre uma disputa direta contra a tradicional líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, do Reagrupamento Nacional (Rassemblement Nacional) pelo eleitor ultraconservador francês. Le Pen tem sido criticada por sua base por moderar o discurso em busca de eleitores mais ao centro.

Pesquisas recentes de intenção de voto indicam Zemmour com 14%, empatado com o ex-ministro do Trabalho Xavier Bertrand, do tradicional partido conservador Os Republicanos (Les Républicains), do ex-presidente Nicolas Sarkozy. No cenário atual, o 2° turno da eleição presidencial francesa repetiria a eleição de 2017: Macron (24%) contra Le Pen (18%).

Fonte poder360
você pode gostar também