Após ser abandonada, refugiada que se apaixonou por britânico decide voltar à Ucrânia

Sofiia Karkadym se separou de homem que a acolheu na casa dele e que havia deixado a esposa e os filhos para ficar com ela

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


Uma das histórias de amor mais comentadas do Reino Unido ganhou outro capítulo. A refugiada Sofiia Karkadym, que foi abandonada pelo segurança britânico Tony Garnett, está fazendo as malas para voltar para a Ucrânia.

A decisão ocorreu após Garnett, de 29 anos, ter rejeitado os últimos pedidos de reencontro da ucraniana, de 22 anos, em um telefonema de uma hora na última sexta-feira (30). O britânico disse a ela que não havia chance de eles voltarem a ser um casal e que ele estava ansioso para “seguir em frente com a vida”.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

O ex-casal se pronunciou pela primeira vez desde que a polícia prendeu Sofiia depois de uma briga em que os dois estavam bêbados. Durante a briga, ela enfiou uma faca de cozinha em uma parede. Essa foi a gota d’água para Garnett declarar que estava terminando o relacionamento.

O britânico embarcou em um caso de quatro meses com a refugiada dez dias após ela ter se mudado para a casa da família. O rapaz dividia a residência com a então mulher, Lorna, e as duas filhas pequenas. O relacionamento com a ucraniana durou apenas nove meses.

Com o fim do romance, a própria mãe de Sofiia disse a Garnett que estava angustiada com a situação e exigiu que a filha voltasse para a Ucrânia. “No amor, todo mundo tem o próprio destino. No começo, não ficamos felizes, mas ela disse que te amava e que esse era um relacionamento sério. Mas acabou. Gostaríamos que ela voltasse para casa”, afirmou ao Daily Mail.

Apesar disso, a jovem ucraniana arriscou ser presa pela terceira vez depois que apareceu novamente na casa do ex-namorado, ignorando as instruções da polícia.

O britânico, então, a convidou para um bate-papo em vez de ligar para o disque-emergência, como foi aconselhado pelas autoridades, e permitiu que ela entrasse na casa dele por cerca de 30 minutos.

“Eu não queria que ela fosse presa e não queria o incômodo de ter que preencher todas as declarações da polícia mais uma vez, o que leva muito tempo. Estou realmente cansado de tudo”, afirmou ao tabloide MailOnline.

“A polícia a avisou antes para ficar longe de mim e de minha casa. Ela precisa ouvi-los. Disse novamente a Sofiia que terminamos. Ela disse que estava voltando para sua família na Ucrânia e estava realmente mais calma, o que me surpreendeu”, completou Garnett.

Ele ainda se ofereceu para levá-la ao aeroporto. “Verifiquei os voos, e eles são muito baratos para a Ucrânia.”

“Eu não posso deixá-lo ir tão facilmente”

Mesmo assim, Sofiia disse que não desistiria de Tony, apesar de ele rejeitá-la. “Estou feliz que ele esteja falando comigo novamente. Eu não queria terminar com apenas uma mensagem que ele me enviou. É um momento muito difícil para mim, porque eu o amo muito. Eu não posso deixá-lo ir tão facilmente, e estou perdida aqui, sem nenhum amigo ou família”, confessou ela, com lágrimas escorrendo pelo rosto.

“Eu disse a ele que nunca mais vou beber e que poderíamos viver felizes juntos se ele me desse mais uma chance. Mas ele está se recusando, e eu não sei o que fazer. Talvez eu tenha que voltar para a Ucrânia, porque não posso viver assim por muito mais tempo. Minha família me quer de volta”, completou a ucraniana.

Apesar disso, Sofiia afirma ainda não saber qual será o seu futuro, porque a Ucrânia segue em guerra e “as coisas podem piorar lá”.

A ex-mulher de Garnett, Lorna, também se pronunciou sobre o caso: “Ele é um pai muito bom. Ele ama seus filhos. E, embora eu não queira voltar com ele, ele não quer voltar com Sofiia, e isso facilita muito para todos nós. Seria melhor ela voltar para a própria família. Ela destruiu a minha”, encerrou.

* Estagiária do R7, sob supervisão de Raphael Hakime 

Fonte r7
você pode gostar também
×