Família de Beto Carrero desiste de vender parque, cotado a R$ 1 bilhão

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


RESUMO DA NOTÍCIA

-- Publicidade --

-- Publicidade --

  • Empresas como Madero, Cacau Show e os fundos americanos Advent e HIG Capital tinham interesse em adquirir o parque.
  • Se as negociações vingassem, essa seria a primeira investida das nacionais Madero e Cacau Show no setor de entretenimento; oferta deles, aceita, tinha sido de R$ 1,1 bilhão.

A família herdeira do parque Beto Carrero desistiu de vender o complexo de entretenimento, pelo qual haviam feito ofertas os fundos americanos Advent e HIG Capital e as nacionais Cacau Show e Madero, as quais haviam tido a proposta aceita.

As negociações com a Cacau Show e a rede de restaurantes Madero tiveram início em novembro de 2018 e foram encerradas há cerca de duas semanas, com a desistência da família – que essa semana, em nota, negou ter travado conversas relativas ao negócio. A informação foi revelada pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Já os fundos haviam proposto comprar o complexo por cerca de R$ 1 bilhão. O Madero havia começado na disputa sozinho, mas se aliou à Cacau Show e quase fechou contrato por R$ 1,1 bilhão, segundo fontes próximas às conversas revelaram ao jornal.

Se as negociações vingassem, essa seria a primeira investida do Madero e da Cacau Show no setor de entretenimento. A ideia do Madero era colocar seus restaurantes e lanchonetes para dentro do parque.

O fundador da rede de restaurante, Junior Durski, quer levar sua empresa à Bolsa, e o parque encorparia o negócio. Já Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, pensava em desenvolver projeto semelhante ao Hershey’s Chocolate World, um parque nos Estados Unidos.

Procurados pelo jornal, nem Madero, Cacau Show, HIG e Advent quiseram comentar o assunto.

Fonte yahoo
você pode gostar também
×