Câmara aprova MEI para caminhoneiros

Proposta é prioridade para o governo, e agora precisará de nova análise do Senado

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


A Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta 4ª feira (17.nov.2021) o PLP (projeto de lei complementar) 147 de 2019, que permite que caminhoneiros se inscrevam como MEI (microempreendedores individuais).

O MEI é um regime simplificado de cobrança de impostos.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

A proposta é uma prioridade do governo, mas a maior parte da Oposição também apoiou. Teve 389 votos a favor contra 16. Projetos de lei complementar, como esse, precisam de pelo menos 257 votos para serem aprovados.

A relatora foi a deputada Caroline de Toni (PSL-SC). Leia a íntegra (234 KB) do texto aprovado. A proposta já passou pelo Senado. Como os deputados fizeram alterações no texto, ele deve voltar à Casa Alta.

De acordo com o projeto, poderá aderir ao MEI o “transportador autônomo de cargas” que tiver receita anual bruta de até R$ 251.600.

Quem optar pelo programa poderá pagar 12% de um salário mínimo como contribuição previdenciária mensal. Como o salário mínimo hoje está em R$ 1.192,40, a contribuição seria de R$ 143.

“O setor patronal vai demitir celetistas e contratar o MEI, que ainda irá com caminhão e tudo. Vai ser um prejuízo para os caminhoneiros”, disse o deputado Paulo Ramos (PDT-RJ).

“O número de caminhoneiros que estão no abrigo da CLT é bem menor do que aqueles que trabalham de forma independente”, declarou Coronel Tadeu (PSL-SP), apoiador do projeto.

“Estamos trazendo muitos caminhoneiros a fazerem a MEI, a aderirem, e obterem algumas vantagens. A principal delas é o tempo para aposentadoria”, afirmou o deputado do PSL.

“Como MEI, os caminhoneiros autônomos passam a contar com a oportunidade de ter um CNPJ, emitir nota fiscal, usufruir de direitos previdenciários, além de uma série de outras vantagens, como acesso a financiamentos”, escreveu o senador Jorginho Mello (PL-SC), autor do projeto, em artigo publicado pelo Poder360.

“O MEI já é uma exceção dentro do Simples, agora estamos criando uma exceção da exceção para os caminhoneiros”, disse Alexis Fonteyne (Novo-SP).

“Todas as outras categorias vão querer entrar. Daqui a pouco fica incontrolável essa questão da desoneração”, declarou Alexis.

A proposta também altera a composição do Comitê Gestor do Simples Nacional. Inclui no órgão um representante do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e um representante de micro e pequenos empresários.

Além disso, altera a representação da União. Hoje, ela tem 4 representantes, todos da Receita Federal. O texto determina que sejam 3 da Receita e um da Subsecretaria de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas.

Fonte poder360
você pode gostar também