Em cumprimento à sentença judicial, Marilon Barbosa demite servidores comissionados

Dentre os exonerados, estão funcionários que exerciam cargos de chefia e direção, além de assessores, como coordenador geral, diretor de cerimonial, assessor de gabinete, entre outros.

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O presidente da Câmara de Vereadores de Palmas, Marilon Barbosa, baixou ato demitindo 44 servidores comissionados para atender sentença judicial que transitou em julgado, ou seja, não cabe mais recurso. O ato foi publicado no Diário Oficial do Município desta segunda-feira, 22.

 

Dentre os exonerados, estão funcionários que exerciam cargos de chefia e direção, além de assessores, como coordenador geral, diretor de cerimonial, chefe de departamento de folha de pagamento, gerente jurídico legislativo, assessor de gabinete, entre outros.

 

Em 2016 o Ministério Público já havia recomendado que o legislativo resolvesse o problema da desproporcionalidade entre o número de comissionados e concursados, mas o pedido não foi acatado. A direção da casa alegou que cada vereador tinha o direito de indicar 17 assessores parlamentares para os gabinetes.

 

Por causa disso, a promotoria ajuizou uma ação civil pública. Em junho de 2018, saiu a decisão de primeira instância sobre o caso. A Justiça ordenou que a Câmara de Vereadores diminuísse a quantidade de funcionários comissionados que trabalhavam para o poder Legislativo. A decisão, da juíza Silvana Maria Parfieniuk, deu um prazo de seis meses para que a proporção entre contratados e concursados na Câmara fosse de 50% para cada.

 

À época, um levantamento mostrou que a Câmara possuía 407 funcionários, sendo que 328 eram cargos de comissão. Após a primeira decisão a Câmara exonerou 60 servidores temporários.

 

Em janeiro de 2019, uma nova decisão prorrogou o prazo para a Casa exonerar mais servidores, já que o número de comissionados e concursados continuava desproporcional.

 

O prazo foi prorrogado porque o juiz Rodrigo Perez Araújo entendeu que devido a eleição da nova mesa diretora era necessário mais tempo para que a medida fosse cumprida.

 

Entenda

 

O Ministério Público do Tocantins (MPE/TO) apresentou no último dia 17 um pedido para que a Justiça afastasse da presidência da Câmara Municipal de Palmas o vereador Marilon Barbosa (DEM) até que o Legislativo cumprisse a sentença que determina a redução do número excessivo de cargos comissionados na proporção de 50% por 50% para cargos efetivos.

 

O pedido foi assinado pelo promotor Miguel Batista, que substitui as férias de Edson Azambuja na réplica à impugnação da sentença feita pela Câmara em dezembro de 2019.

 

Batista destacou: “Em datas de 15 e 16/06/2020, mediante consulta realizada perante o Portal da Transparência da Câmara de Palmas, TO, constatou-se que, atualmente, a mencionada Casa Legislativa, possui atualmente 363 cargos públicos providos (deduzido os 19 cargos políticos dos Vereadores), dos quais apenas 96 (noventa e seis) são efetivos e 267 (duzentos e sessenta e sete) são de provimento em comissão, evidenciando, que a sentença judicial executada está sendo solenemente ignorada, decorrente da disparidade (65% DE COMISSIONADOS PARA 35% DE EFETIVOS) acentuada de cargos de provimento em comissão em detrimento dos efetivos, burlando – se o comando judicial, evidenciando, por conseguinte, a recalcitrância”.

 

O promotor lembrou ainda que o argumento de que os assessores dos vereadores não estão alcançados pela decisão judicial também foi usada pela Assembleia Legislativa, mas acabou refutada no Tribunal de Justiça.

Fonte t1noticias
você pode gostar também