Rússia contratou robôs para difundir propaganda a favor da invasão na Ucrânia, aponta Meta

Empresa disse que suspendeu mais de mil contas envolvidas na campanha

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Uma equipe russa contratou pessoas na rua para que elas postassem comentários em redes sociais que dessem a impressão de que a invasão da Ucrânia teve apoio popular, segundo levantamento feito pela Meta, empresa que controla o Facebook, divulgado nesta quinta-feira. A internet tem sido uma das frentes da guerra, com a Rússia tentado silenciar críticas e promover a narrativa de apoio à invasão.

Uma “fazenda de trolls” (contas que fazem publicações automáticas) executou a campanha de desinformação. Alguns dos envolvidos na operação estavam associados à Agência de Pesquisa de Internet (IRA), um grupo russo ligado à interferência eleitoral nos Estados Unidos e outros países desde 2016.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

As autoridades americanas oferecem uma recompensa de US$ 10 milhões (cerca de R$ 53,4 milhões) por informações sobre a participação da IRA nas eleições. A operação contratava quase qualquer um para participar das operações, uma tática parecida com a usada pela IRA anos atrás, disse à AFP Ben Nimmo, chefe de inteligência de ameaças globais da Meta.

Segundo a investigação da empresa, os “trolls” trabalhavam sete dias por semana, por cerca de 440 dólares por mês (R$ 2.350). Sua função era comentar em publicações nas redes sociais Instagram, Facebook, TikTok, Twitter, YouTube, LinkedIn, VKontakte e Odnoklassniki.

A Meta reportou que suspendeu 1.037 contas no Instagram e 45 no Facebook envolvidas na campanha.

(Agência O Globo)

Fonte exame
você pode gostar também
×