Vacina contra Covid-19 x vacina contra a gripe: o que você precisa saber

Especialistas explicam quando os dois imunizantes podem ser tomados juntos e qual deles priorizar de acordo com o público-alvo

Tempo estimado para leitura: 4 minuto(s)


A partir de 12 de abril, o Sistema Único de Saúde (SUS) inicia sua 23ª campanha de vacinação contra a gripe comum, ao mesmo tempo em que promove a vacinação em massa contra a Covid-19 em todo o país.

Ambas as campanhas pretendem imunizar quase 80 milhões de pessoas, o que leva a um duplo desafio para as autoridades de saúde pública brasileiras. O Ministério da Saúde pretende vacinar contra a gripe 90% dos públicos-alvo até 9 de julho (veja quadro abaixo)

Além da grande escala, surgem dúvidas se há necessidade de se tomar os dois imunizantes, qual deles priorizar neste momento, e se o Brasil terá capacidade de manter a vacinação contra Covid-19 e gripe ao mesmo tempo sem causar aglomerações.

“É importante salientar que a campanha de vacinação contra a gripe vai começar com grupos que não são prioritários para Covid-19. Isso foi feito exatamente para desvincular uma campanha da outra”, afirma Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

A vacinação contra Covid-19, que começou em janeiro na cidade de São Paulo e depois se espalhou pelo país, desde então tem idosos de diferentes faixas etárias como público prioritário, já que, segundo estudos, são eles que correm o maior risco de desenvolver casos graves e morrer pela doença.

Algumas cidades já começaram a também imunizar policiais e começarão a vacinar professores ainda em abril. Mas o ritmo da vacinação é diferente em estados e municípios em decorrência de falta ou atraso na entrega de doses vindo do Ministério da Saúde e das fabricantes, que dependem de insumos importados.

Neste contexto, entenda qual vacina se deve priorizar neste momento, se é possível tomar as vacinas em conjunto, e quem poderá tomar ambas as doses.

Qual vacina tomar primeiro?

Diante da gravidade da Covid-19 e da ausência de estudos sobre a coadministração das vacinas da gripe e da Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda que se dê prioridade à vacinação contra a Covid-19, e somente depois tomar a vacina da gripe.

“Para pessoas que fazem parte do grupo prioritário da vacinação contra influenza e que ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 devem ser priorizadas as doses contra a Covid-19 e agendada a vacina contra a Influenza, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas”, segundo nota do Ministério da Saúde.

Posso tomar as duas vacinas ao mesmo tempo?

Não é recomendado pelo Ministério da Saúde e por entidades de classe como a Sociedade Brasileira de Imunizações. Isso porque faltam estudos que comprovem a segurança e a eficácia das vacinas contra Covid-19 nessas situações, bem como para facilitar o monitoramento de eventos adversos pós-vacinação.

Em nota enviada à SBIM, entretanto, o Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, ressalta que a contraindicação não é absoluta. Em situações emergenciais, a exemplo da administração de soros antiofídicos ou vacina antirrábica para profilaxia pós-exposição, o intervalo mínimo preconizado (14 dias antes e depois) pode ser desconsiderado.

De acordo com o presidente da SBIM, a vacina que protege contra a gripe pode ser tomada a qualquer momento, desde que seja respeitado o intervalo de 14 dias em relação às doses da vacina contra a Covid-19.

Ele afirma que se o imunizante for aplicado depois da primeira dose da vacina de Covid-19, observando esse prazo, é preciso esperar mais 14 dias para receber a segunda dose da vacina contra o coronavírus.

“Se a vacina usada for a Coronavac, para a qual o intervalo costuma ser de três semanas entre as doses, não haverá tempo para receber a vacina da gripe entre a primeira e a segunda dose. Neste caso é preciso esperar a conclusão do esquema de dose da vacina Coronavac”, explicou Cunha à CNN.

Por que é importante tomar as duas vacinas?

Tanto a Covid-19 quanto a gripe são doenças respiratórias causadas, respectivamente, pelos vírus Sars-Cov-2 e Influenza, transmitidas por contato respiratório e que inicialmente podem ter quadros muitos parecidos.

“Sendo assim, todas as medidas que puderem ser tomadas para diminuir a incidência dessas doenças contribuirão para desafogar a rede de saúde, que já está bem comprometida pela situação da pandemia”, afirma Cunha.

Para o presidente da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), Geraldo Barbosa, tomar a vacina da gripe pode evitar complicações da doença e evitar as idas e vindas a hospitais por causa disso. As clínicas particulares já estão comercializando a vacina desde o mês de março.

“Imagina que já começamos a estação com hospitais lotados. Se eles ainda tiverem que lidar com mais casos de internação vai ser ainda mais complicado”, afirmou Barbosa em nota divulgada pela ABCVAC.

O Brasil tem capacidade para fazer as duas campanhas?

Segundo Cunha, não é novidade para o Programa Nacional de Imunizações fazer campanhas de vacinação simultâneas. O diferencial agora é que ambas são de grande escala e, por isso, serão necessárias várias parcerias para ganhar a capilaridade necessária. “Precisamos utilizar locais alternativos, voluntários de universidades, escolas técnicas, conselho de classe, drive thru. Temos que intensificar tudo isso para poder levar a frente essas duas campanhas de vacinação”, conclui.

Foto: Arte/ CNN Brasil
Fonte cnnbrasil
você pode gostar também