Proteção contra ômicron cai 1 mês após 4ª dose da Pfizer

Aplicação, no entanto, reduz taxas de infecção pela variante em idosos e em casos graves, diz estudo

Tempo estimado para leitura: 1 minuto(s)


A 4ª dose da vacina da Pfizer reduz as taxas de infecção pela variante ômicron em idosos, mas a proteção tem curta duração, diz estudo em Israel publicado nesta 3ª feira (5.abr.2022). Eis a íntegra.

A pesquisa concluiu que a proteção contra a infeção em pessoas que tomaram a 4ª dose da Pfizer diminuiu em 4 semanas.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Já a proteção contra casos graves da doença permaneceu a mesma durante 6 semanas depois da aplicação da dose, dizem os pesquisadores.

O estudo foi realizado a partir de dados de 1.252.331 pessoas com 60 anos ou mais em Israel. O país começou a aplicar a 4ª dose da Pfizer nessa faixa etária em 2 de janeiro de 2022.

Os dados foram extraídos de 10 de janeiro a 2 de março –período em que a variante ômicron era predominante no país.

4ª dose no Brasil

O Ministério da Saúde recomendou a aplicação da 4ª dose de vacina contra a covid-19 em idosos a partir de 80 anos em 23 de março de 2022.

O governo aconselhou que a vacina da Pfizer seja usada na 4ª dose. Caso essa não esteja disponível, orientou a utilização dos imunizantes da AstraZeneca ou da Janssen. Excluiu a vacina CoronaVac da lista.

Fonte poder360
você pode gostar também