Anvisa cobra dados do Ministério da Saúde sobre dose de reforço contra covid

Queiroga anunciou ampliação da dose adicional para todos os adultos na 3ª feira (16.nov)

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) solicitou ao Ministério da Saúde informações sobre “os elementos técnicos” que embasaram a decisão do órgão de ampliar a aplicação da dose de reforço em toda população adulta. Ofício foi encaminhado nesta 5ª feira (18.nov.2021). Eis a íntegra (76 KB).

Na 3ª feira (16.nov), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, autorizou às pessoas maiores de 18 anos a administração da dose adicional a partir de 5 meses depois da 2ª dose. Segundo o ministério, a mudança do intervalo de 6 para 5 meses se deu depois que estudos mostraram queda da resposta imune contra o coronavírus a partir do 5º mês.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

De acordo com a Anvisa, a medida “é importante para a manutenção da proteção contra a covid-19” e deve ser avaliada “considerando a relação dos benefícios versus os riscos individuais”.

Até o momento, a agência recebeu pedidos da AstraZeneca e da Pfizer para que a dose de reforço seja incluída no esquema vacinal contra a doença. Ambos seguem em análise.

Já Janssen não enviou pedido para “submissão de 2ª dose ou dose de reforço de sua vacina” até o momento, disse a Anvisa ao Poder360 na 4ª feira (17.nov). Segundo o documento encaminhado nesta 5ª feira (18.nov), a Janssen deve enviar os estudos sobre a eficácia e segurança da dose de reforço até a semana que vem.

Ainda no ofício, a agência afirma que as informações obtidas até então sobre a vacina da Janssen “referem-se à possibilidade de aplicação de dose de reforço e não de 2ª dose como parte do esquema primário de vacinação”. Na 3ª feira (16.nov), Queiroga disse que o imunizante da farmacêutica terá uma 2ª dose a partir de 2 meses da 1ª. De acordo com o ministro, a dose de reforço do imunizante será aplicada 5 meses depois da 2ª.

Fonte poder360
você pode gostar também