Representação do PSOL contra Lira é rejeitada pelo presidente do Conselho de Ética

Deputado da legenda tem processo disciplinar aberto por discussão com o presidente da Câmara

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Paulo Azi (União Brasil-BA), rejeitou, nesta terça (21), a análise da representação do PSOL contra o presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL).

A liderança do partido justificou a denúncia contra Lira “por autoritarismo, excesso das suas prerrogativas como presidente [da Câmara], ameaça e descumprimento do regimento”. Mas não foi suficiente para Paulo Azi decidir pela abertura do processo disciplinar.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Durante a reunião, o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) e outros deputados da oposição defenderam que caso a representação contra Lira não fosse analisada, que o processo contra Braga fosse arquivado.

Contudo, o presidente do Conselho decidiu colocar em votação a própria decisão de não analisar a representação contra Lira, e foi mantida por maioria de 13 votos a 5.

Braga ainda questionou o presidente do colegiado se houve tratativas prévias sobre a representações com Arthur Lira, mas Paulo Azi negou ter conversado com o presidente da Casa sobre o tema, apesar de ter encontrado.

Processo contra Glauber

O Partido Liberal (PL) pediu a cassação do mandato de Glauber após bate-boca com Arthur Lira no plenário da Câmara. No documento, o PL pede a abertura de um processo ético-disciplinar por suposta quebra de decoro parlamentar do deputado do PSOL com recomendação da perda de seu mandato.

Na sessão do dia 31 de maio, enquanto os deputados votavam no plenário uma Medida Provisória relativa ao fim de incentivos tributários para a indústria petroquímica, Glauber Braga declarou no microfone, quando um representante do PSOL foi chamado a se posicionar sobre a matéria: “senhor Arthur Lira, eu queria saber se o senhor não tem vergonha. Gostaria de saber se o senhor não tem vergonha.”

Após série de troca de farpas e momentos de tensão, Lira chegou a ameaçar tomar medidas mais duras, como pedir a retirada de Braga do plenário e entrar contra o colega no Conselho de Ética.

A líder do PSOL na Câmara e esposa de Glauber, Sâmia Bomfim (SP), criticou a atitude tomada pela sigla do presidente Jair Bolsonaro.

“A nossa bancada tomou conhecimento de que o presidente Lira, através do PL, representou contra o deputado Glauber Braga no Conselho de Ética. Digo ‘através do PL’ porque, no dia em que houve um certo desentendimento aqui no plenário, ele disse que ele mesmo faria essa representação. Estranhou-nos muito que não tenha vindo do partido do próprio presidente, mas que se tenha terceirizado para o partido do presidente da República, que é o PL, essa representação”, declarou.

Fonte cnnbrasil
você pode gostar também