Relator do Orçamento diz que governo Lula deverá cortar subsídios, fazer reforma tributária e taxar lucros e dividendos

“Precisamos fazer todas essas reformas e o futuro governo deverá fazer para fazer um Orçamento com todas essas reformas juntas para 2024”, disse

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


BRASÍLIA – O relator-geral do Orçamento de 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), afirmou nesta quinta-feira que o futuro governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva deverá cortar subsídios, fazer a reforma tributária e taxar lucros e dividendos ao destacar que a PEC da Transição, apresentada na véspera, é de caráter emergencial e o mínimo para que o país “continue respirando”.

“Nós precisamos fazer todas essas reformas e o futuro governo deverá fazer para fazer um Orçamento com todas essas reformas juntas para 2024”, disse em entrevista à GloboNews.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“O que estamos fazendo hoje é de caráter emergencial, o mínimo que estamos fazendo para o novo governo respirar”, reforçou.

Aliado de Lula, Castro defendeu que já nos primeiros dias o futuro governo priorize as reforças necessárias para fazer com que elas avancem ainda no primeiro semestre de 2023.

O senador, que tem participado ativamente das negociações em torno da PEC da Transição, disse que a proposta tem por objetivo retirar de forma permanente do teto de gastos recursos para serem investidos no Bolsa Família, indicando que isso é um pacto da sociedade brasileira com os mais vulneráveis.

Questionado sobre o fato de que a proposta deve abrir um espaço fiscal de 200 bilhões de reais para gastos, Castro negou que seja um cheque em branco e que haverá a indicação de onde cada recurso será empregado.

“Não vou ter um cheque em branco, uma ação ilimitada para poder colocar o recurso onde eu quiser não, a comissão de transição que vai dizer”, destacou.

Fonte infomoney
você pode gostar também
×