Pré-candidata do PSL à Prefeitura, Vanda Monteiro diz que é dever do gestor público olhar para a sociedade com humanidade

Tempo estimado para leitura: 5 minuto(s)


Eleita vereadora em Palmas/TO em 2016 e deputada estadual em 2018, a pré-candidata Vanda Monteiro (PSL), disputa a principal cadeira do Executivo na capital nas eleições deste ano. Ela garante que mais do que nunca está preparada para o desafio de governar a maior cidade do Estado.

Com o apoio do PSL, Vanda Monteiro diz que a orientação da Executiva Nacional é dialogar com todos que querem o bem para a Capital. Ela ainda diz que pretende seguir uma campanha pautada no compromisso com o povo e o desenvolvimento da cidade, na ética e na escolha de nomes que queiram somar junto à sigla. “Tenho total aval e segurança do meu partido para tomar decisões e acredito estar no caminho certo”.

A entrevista completa vocês pode conferir abaixo.

Conexão Tocantins – Por que se candidatar à Prefeitura de Palmas? Em sua opinião, o que deve ser transformado na cidade?

Vanda Monteiro – Desde muito nova vim para a cidade com minha família e conheço cada canto, cada bairro desta cidade. Sei das histórias, das necessidades e de como o povo deseja ver essa Palmas realmente desenvolvida. Na minha opinião a capital precisa ser administrada para o povo e com o povo. A gestão deve sair de dentro dos gabinetes e conhecer de fato e de direito a realidade que as pessoas tem passado. Por isso quero ser a prefeita do povo.

CT – A senhora afirmou recentemente que mais do que nunca se sente preparada para mais este desafio. Seu nome tem o aval da Executiva Nacional do PSL, um partido que defende pautas extremamente conservadoras. A senhora pretende seguir uma política tradicional em Palmas?

Afirmo com toda certeza que estou preparada para assumir mais este desafio. Estou preparada porque tenho a aprovação do povo ao ser eleita vereadora em 2016 e posteriormente deputada estadual. Em Palmas, se eleita for, pretendo seguir a mesma linha Vanda Monteiro de ser “representante do povo!”. Sempre trabalhei para atender as necessidades, para beneficiar e garantir direitos.

CT – Quais as bandeiras pretende defender para a campanha?

O gestor público comprometido defende a bandeira do povo! Não existe aquilo ou outro. Acredito que a administração é para todas as áreas. A saúde precisa ser melhorada, assim como a educação, habitação, assistência social e a segurança pública. Defendo o desenvolvimento do setor público como um todo e essa é a bandeira de Vanda Monteiro.

CT – Qual a orientação do PSL Nacional para sua campanha na Capital?

A orientação da executiva nacional é dialogar com todos aqueles que querem o bem para nossa capital, pautar o projeto político no compromisso com o povo e o desenvolvimento da cidade, na ética e na escolha de nomes que queiram somar junto a sigla. Tenho total aval e segurança do meu partido para tomar decisões e acredito estar no caminho certo.

CT – Há alguma possibilidade da senhora desistir de concorrer a principal cadeira do Executivo de Palmas?

Neste momento não existe qualquer possibilidade de desistência. Sou uma mulher de palavra e assim como fiz para vereadora e deputada estadual respondo ao chamamento do povo e da Executiva Nacional do meu partido. Daqui para frente vamos avaliar todas as possibilidades e construir nosso caminho sempre pautados no trabalho para o bem das pessoas.

CT – Quais partidos devem compor sua chapa?

Estamos dialogando com diversos partidos e como dito anteriormente nossa meta e compor com pessoas e partidos que queiram o bem para nossa capital.

CT – Mesmo fazendo parte de uma legenda conservadora, a senhora tem defendido os direitos da mulher na Assembleia Legislativa. Neste mesmo pensamento, o que a senhora pretende mudar, caso eleita, para as minorias em Palmas?

Eu sou uma mulher que vem exatamente desta minoria. Trabalhei vendendo peixe nas praias, tive barraca de espetinho e batalhei muito para me tornar uma representante deste povo tão sofrido. Minha pauta como vereadora sempre foi defender a nossa gente, como deputada estadual busquei propor projetos de lei que levassem dignidade para mulheres, jovens e crianças em situação de vulnerabilidade, além de pessoas com deficiência. É dever do gestor público olhar para a sociedade com humanidade, em totalidade, planejar e executar políticas públicas que atendam suas reais necessidades, dialogar e conhecer é o primeiro passo. Não se faz uma boa gestão de dentro do gabinete é preciso sair para a rua e conhecer as pessoas, disto eu entendo muito bem.

CT – A senhora havia proposto um projeto de lei solicitando pagamento de incremento financeiro aos servidores do quadro da saúde que atuam na linha de frente da Covid-19. Por que a senhora acredita que esse pagamento é necessário? Qual sua opinião a respeito desses profissionais?

Essa foi uma proposta mais do que justa apresentada na Assembleia Legislativa. A pandemia do novo Coronavírus exigiu dos profissionais uma carga de atuação extremamente pesada, um compromisso com a vida que foi além de tudo feito anteriormente. Esse é um reconhecimento, um direito, um amor a nossos profissionais que deram a própria vida em prol da saúde tocantinense. Sinto muito orgulho de todo empenho da Assembleia Legislativa e sinto muito mais orgulho de todo o empenho dos nossos profissionais que estão diariamente nos hospitais e unidades públicas de saúde do Estado.

CT – Neste momento todo mundo critica a prefeita Cinthia Ribeiro a respeito do plano de contingência da Prefeitura e Palmas no enfrentamento da Covid-19. Se a senhora estivesse no lugar dela, o que faria?

Não falo em tom de crítica. Mas acredito que o momento deveria ser analisado com mais celeridade, visão ampliada de sociedade e dos impactos. Faltaram as ações emergenciais. Na área do comércio eu daria voz aos empresários e dialogaria mais sobre a rotina a ser adotada. Acredito que manter o emprego e a renda deveriam ser primordiais em um cenário de crise de saúde e financeira. Realizaria a testagem em massa da população. A aplicação dos recursos deveria ser mais transparente. Questiono onde estão R$ 42 milhões destinados pelo Governo Federal? A população deveria saber detalhadamente. A pandemia chegaria aqui e onde está o hospital de campanha? Onde está a contratação de mão de obra? Faltou planejamento e isto é inegável.

CT – Como a senhora avalia a gestão da prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSL)?

A administração da nossa cidade está contaminada pela vaidade e distante do povo. Mas quer saber melhor o que Palmas acha da própria administração? Veja a rejeição apontada nas últimas pesquisas de opinião pública divulgada na mídia. O alto índice de rejeição diz tudo.

 

Fonte conexaoto
você pode gostar também