“Não vai ter golpe, não estou preocupado e nem me passa pela cabeça”, diz Aras

Procurador-geral da República afirma que as instituições trabalham para que o 7 de Setembro e as eleições sejam realizados dentro da normalidade

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O procurador-geral da República, Augusto Aras, descartou, em entrevista à CNN nesta quarta-feira (17), a possibilidade de haver uma tentativa de golpe em caso de uma eventual derrota do presidente Jair Bolsonaro (PL) na busca pela reeleição nas eleições de outubro. “Não estou preocupado nem me passa pela cabeça. Não vai ter golpe”, disse Aras.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

O chefe do Ministério Público Federal voltou a dizer que as instituições brasileiras estão todas trabalhando para que o 7 de Setembro e as eleições de outubro sejam realizados dentro da normalidade.

Aras também se defendeu de críticas tecidas contra ele por opositores por não se posicionar diante de manifestações proferidas por Bolsonaro contra o processo eleitoral e disse que o procurador-geral da República não pode ser um agente político.

“Há zero risco de candidato não aceitar resultado. [O discurso do presidente Jair Bolsonaro] É retórica. Só trabalhamos [no âmbito da Procuradoria-Geral da República] com discurso jurídico”, afirmou.

Aras defendeu a necessidade de diferenciar o discurso político do discurso jurídico e afirmou que as manifestações do presidente Jair Bolsonaro não passam de retórica. O procurador-geral disse que o ato de uma pessoa comprar uma faca ou um revólver, fazer curso de tiro e falar que vai cometer um crime contra determinada pessoa não é crime. “Meras lucubrações não correspondem a nenhum crime”, disse. Questionado se o ato citado em seu exemplo não poderia ser enquadrado como crime de ameaça, Aras disse que não.

Discurso político

Presente na posse de Alexandre de Moraes como presidente do Tribunal Superior Eleitoral nesta terça-feira (16), Aras afirmou que a fala do ministro na cerimônia foi normal e tratou-se de um discurso político. “Não vi nada de mais. É do jogo da política aquilo”, disse o procurador-geral.

Aras minimizou o fato de o presidente Jair Bolsonaro não ter aplaudido Moraes quando o ministro, em seu discurso de posse, defendeu o sistema eleitoral brasileiro. Moraes foi aplaudido por 40 segundos.

Aras ponderou que os aplausos podem ter muitos significados, como, por exemplo, “estamos com você e queremos paz”. Para o procurador-geral, o evento que marcou a posse de Moraes na presidência do TSE simbolizou um “abraço do Brasil”.

Debate

As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

Fonte cnnbrasil
você pode gostar também
×