Missão de Observação Eleitoral destaca transparência do processo do Tocantins

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


Presentes nas principais etapas do processo eleitoral, observadores da Missão de Observação Eleitoral Nacional acompanharam nesse domingo, 2, a realização das Eleições Gerais 2022 no Tocantins. Da emissão da zerésima – extrato que confirma a não existência de votos nas urnas antes do início da votação, passando pelo processo de votação em si, realização do Teste de Integridade, até o fechamento das seções eleitorais, com impressão do Boletim de Urna foram acompanhados.

Às 7h10 deste dia 2 de outubro, as 10 seções da Escola de Tempo Integral Vinícius de Moraes, em Palmas, já estavam com a zerésima impressa. Eleitor na unidade escolar, o observador que representa a Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos, Guilherme Vilela, acompanhou o andamento da votação no local pela manhã e destacou que o processo eleitoral no Tocantins está muito bem-organizado. “Participei de algumas das etapas do processo, prévias à realização da eleição, e achei uma organização muito bem-feita; assim como estamos acompanhando hoje o dia da votação e todo o processo de auditoria e fiscalização”, explicou.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Já na Escola Estadual Professora Elizângela Glória Cardoso, os observadores acompanharam a realização do Teste de Integridade – uma das auditorias realizadas pela Comissão de Auditoria da Votação Eletrônica (CAVE), do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins. Representando a Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, a observadora Graziela Tavares de Souza Reis destacou a transparência com a qual todo o processo eleitoral está sendo tratado no Tocantins. Um passo a passo, segundo ela, cuidadoso para garantir a dignidade do voto e o respeito à vontade soberana do povo. “Estou admirada de toda metodologia e perfeccionismo em todas as etapas. Quem está de fora não imagina o tamanho do trabalho, os detalhes que vão deste a logística de recrutar e treinar voluntários à tecnologia da urna eletrônica”, observou. “Uma das etapas que chama atenção é aquele monitoramento eletrônico, a partir do próprio TRE, com controle de clima, oscilação de internet e visibilidade de todos os cartórios eleitorais do Estado, e ainda o monitoramento de invasão de hackers, numa demonstração de cuidados técnicos e interesse na transparência de todo o processo”, complementou.

Missão de Observação Eleitoral

A Missão de Observação Eleitoral no Tocantins conta com três instituições cadastradas junto ao Tribunal Superior Eleitoral e tem como representantes o presidente da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP), Guilherme Vilela; a coordenadora-geral da Transparência Eleitoral Brasil, Ana Cláudia Santano; e a advogada Graziela Reis – representante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

As missões de Observação culminam na elaboração de relatórios sobre a realização das Eleições, com anotações e sugestões de melhorias e aprimoramento do processo eleitoral como um todo. Após a realização das eleições, essas informações são consolidadas em documento que é amplamente divulgado na internet para consulta pública.

Fonte conexaoto
você pode gostar também
×