Lula quer rever acordo do Mercosul, e Bolsonaro fala em respeitar as urnas

Nesta segunda-feira (22), Ciro Gomes criticou o teto de gastos, e Simone Tebet disse que a eleição é atípica por ter os mais rejeitados à frente nas intenções de voto

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


No sétimo dia oficial de campanha eleitoral, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência, concedeu entrevista à imprensa internacional, em São Paulo, no período da manhã, e, pela noite, participou do lançamento do livro “O Brasil no Mundo: 8 anos de Governo Lula”, de Ricardo Stuckert, fotógrafo que o acompanha.

Durante a entrevista, ele criticou o teto de gastos do governo federal e também falou que, se eleito, pretende discutir o acordo entre Mercosul e União Europeia, fechado em 2019, com previsão de mudanças tarifárias nas relações entre os blocos. Para que o acordo entre em vigor, é necessária a aprovação dos parlamentos de todos os países envolvidos.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“O acordo não é válido porque ele não foi sequer concretizado em plenitude. O Brasil não é obrigado a concordar com um acordo que não respeita aquilo que é o desejo do Brasil”, declarou o petista.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, deu entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, à noite, e afirmou que irá respeitar o resultado das eleições.

“Vou respeitar o resultado das urnas. Vamos botar um ponto final nisso”, disse.

O candidato do PDT a presidente, Ciro Gomes, esteve em um encontro com empresários do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), em São Paulo, na parte da manhã e também criticou o teto de gastos do governo federal.

“Teto de gastos com status constitucional é uma absoluta aberração (…). A maior conta pública é juro para banco, que subiu para R$ 600 bilhões por ano só no governo Bolsonaro e está fora do teto de gasto”, afirmou o pedetista

Simone Tebet, candidata do MDB, participou de caminhada na Boca Maldita, em Curitiba, local conhecido por ser palco de manifestações políticas.

Ela afirmou que o brasileiro quer um nome diferente para mudar a política do país. “Não vamos esquecer que essa é uma eleição totalmente atípica. Nós temos os dois [candidatos] mais rejeitados. Na realidade, o eleitor está escolhendo o ruim para não ficar com o péssimo”, disse a emedebista.

O primeiro turno das eleições acontece no dia 2 de outubro.

Debate

As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

Fonte cnnbrasil
você pode gostar também
×