Lula perderá em todas as capitais do Nordeste, diz Ciro Nogueira

O ministro-chefe da Casa Civil já chegou a afirmar anteriormente que Bolsonaro perderia no Nordeste para o petista

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou nesta 3ª feira (2.ago.2022) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve perder em “todas as capitais do Nordeste” nas eleições de 2022.

A declaração de Ciro dada ao programa Amarelas On Air, da revista Veja, difere do que o próprio ministro já falou anteriormente. Em 27 de maio, Ciro disse ao programa “Conversa com Bial”, da emissora de TV Rede Globo, que o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) iria perder para Lula na região –mas que ainda assim seria reeleito.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

O ministro afirmou ainda que irá comandar a campanha de Bolsonaro no Piauí, reduto onde Ciro construiu sua carreira política.

Segundo Ciro, apesar de Lula ser “muito forte” no Nordeste, o ex-presidente já teve mais influência na região. “Nós vamos mostrar que somos melhores em todas as áreas, até nas bandeiras da esquerda”, declarou.

Ciro disse que Bolsonaro, caso seja reeleito, deve tornar permanente o Auxílio Brasil de R$ 600. Segundo ele, se dependesse do PT (Partido dos Trabalhadores), a população brasileira ainda estaria recebendo apenas R$ 90 de benefícios. Em entrevista à emissora de TV SBT Brasil, nesta 3ª feira (2.ago), Bolsonaro também disse que deverá manter o auxílio se vencer a disputa pelo Palácio do Planalto.

A fala de Ciro é em referência ao Bolsa Família, programa social de transferência de renda consagrado pelos governos petistas no passado. O Auxílio Brasil veio como uma tentativa do governo Bolsonaro de tentar melhorar o desempenho entre os mais pobres.

PODERDATA

Segundo a última pesquisa PoderData, realizada de 17 a 19 de julho, Lula tem grande vantagem sobre Bolsonaro no 1º turno na região Nordeste, como registrado nas rodadas anteriores. O petista tem 52% contra 27% do atual chefe do Executivo.

Já entre os beneficiários do programa social, substituto do Bolsa Família, a administração federal é aprovada por 42% e reprovada por 55%. No estrato geral da população, o índice de desaprovação é o mesmo, enquanto o de aprovação é 1 p.p mais baixo: 41%.

Entre aqueles que dizem não ter recebido alguma parcela do benefício no mês anterior da pesquisa, são 54% os insatisfeitos e 42% os que têm percepção positiva da gestão.

Fonte poder360
você pode gostar também
×