LULA: A MÍDIA INDEPENDENTE É NOSSA ÚLTIMA ESPERANÇA

Em sua mais recente entrevista, concedida aos jornalistas Joaquim de Carvalho, do DCM, e Eleonora de Lucena, do Tutaméia, o ex-presidente diz ter subestimado o poder da mídia corporativa e exalta o papel da mídia independente; “Se eu pudesse voltar no tempo, eu teria tocado a regulação da mídia mesmo sabendo que seria difícil passar no Congresso”, declarou; assista

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


247 – O ex-presidente Lula exaltou a importância da mídia alternativa em sua mais recente entrevista, concedida da prisão, na sede da Polícia Federal em Curitiba, aos jornalistas Joaquim de Carvalho, do DCM, e Eleonora de Lucena, do Tutaméia na última semana. Ele contou se informar com frequência a partir de conteúdo de canais alternativos. “É a fonte de informação que eu tenho, embora eu possa assistir jornal da Globo, a Bandeirantes, o SBT… mas é jornal chapa branca, eu não tenho interesse”, relatou.

Lula disse que, enquanto ocupava a presidência, subestimou o poder da imprensa hegemônica. “Eu menosprezei o poder de fogo da grande imprensa. Eu disse ‘quem quiser me derrotar vai ter que ir para a rua competir comigo’. E orgulhosamente eu terminei o meu mandato com 87% de bom e ótimo, 10% de regular e 3% de ruim e péssimo que deve ter sido o comitê do PSDB”, declarou. “Eu acho que o Bolsonaro não vai reconhecer, mas eu acho que ele votou em mim todas as vezes”, acrescentou, com bom humor.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“Então eu menosprezei a imprensa porque eu não dava muita importância para a imprensa. E obviamente que a imprensa alternativa não tinha naquele tempo o peso que ela tem agora. E a gente vai percebendo também que a imprensa alternativa não é tão alternativa, porque você tem o monopólio do Google, do Youtube, daqui a pouco vocês vão perceber… e são monopólios estrangeiros, que a gente não tem nem o controle”, prosseguiu o ex-presidente.

“Mas eu acho que a imprensa alternativa é efetivamente a única esperança de democratização dos meios de comunicação no País. Nós demos um passo quando eu estive no governo, que foi a gente fazer a mídia técnica. Mas acho que nós precisamos dar outro passo”, enfatizou. “Precisávamos ver um jeito de como financiar a mídia alternativa. Eu sei o sufoco que vocês passam”, disse ainda.

A declaração foi em resposta a uma pergunta feita pelo jornalista Altamiro Borges, presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, sobre a oportunidade perdida de promover uma regulação democrática dos meios de comunicação durante seu governo.

“Se eu pudesse voltar no tempo, eu teria tocado a regulação da mídia mesmo sabendo que seria difícil passar no Congresso, até porque ali todo mundo é dono de rádio, de canal de TV. Mas acho que precisa, sim, ser feito”, concluiu.

Fonte Brasil247
você pode gostar também