Bolsonaro quebra protocolo e desce da Tribuna para participar de desfile

Tempo estimado para leitura: 5 minuto(s)


O primeiro desfile de 7 de setembro de Jair Bolsonaro (PSL) como presidente reuniu milhares de pessoas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, neste sábado. As arquibancadas instaladas no local tinham capacidade para 20 mil pessoas, assim como em anos anteriores. A cerimônia começou às 9h. Uma hora depois da abertura, o presidente quebrou o protocolo e desceu da Tribuna de Honra para cumprimentar as pessoas que estavam acompanhando o desfile. Ele deixou a tribuna no momento em que as aeronaves da Aeronáutica, Bombeiros e Polícia Militar sobrevoavam a esplanada dos ministérios. O evento acabou perto do meio dia, quase uma hora depois do previsto.

Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Para celebrar os 197 anos da Independência, o desfile desse ano teve como mote “Vamos valorizar o que é nosso”. Mais de 4,5 mil estavam previstas para desfilar — só das Forças Armadas foram 3 mil militares. O fogo simbólico da pátria foi conduzido pelo atleta Altobeli Santos da Silva, terceiro sargento da Marinha e medalhista nos jogos Pan-Americanos de Lima.

A cerimônia começou com a chegada do presidente em um Rolls Royce. Ele estava acompanhado por um menino de nove anos, Ivo César Gonzales, que estava no caminho entre o Palácio da Alvorada e a Esplanada e foi convidado para desfilar no carro. No mesmo veículo, estava o filho do presidente, o vereador do rio de Janeiro Carlos Bolsonaro.

Enquanto deixava Palácio da Alvorada para se dirigir ao local do desfile, o presidente Bolsonaro falou à TV Brasil, convidando os brasileiros para prestigiarem a comemoração da Independência em suas cidades. “Neste momento, quem puder comparecer, em seu município por ocasião do 7 de setembro, assim como eu estou indo aqui para a Esplanada dos Ministérios comemorar esta data, compareça. O Brasil é nosso. É verde e amarelo.”

Já no local do desfile, a Tribuna de Honra era o local mais disputado. Ao lado do presidente Bolsonaro na Tribuna de Honra, estavam o ministro da Justiça, Sergio Moro, o vice-presidente Hamilton Mourão, o presidente do Senado, Davi Alcolumbe, e empresários, como o apresentador Silvio Santos e o dono das lojas Havan, Luciano Hang, além de Edir Macedo, bispo da Igreja Universal. A primeira-dama, Michele Bolsonaro, e a filha do casal, Laura, também estavam presentes. Elas já aguardavam Bolsonaro no local.

Também estiveram no local os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Augusto Heleno (Segurança Institucional), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Abraham Weintraub (Educação) e Tereza Cristina (Agricultura).

(Brasília – DF, 07/09/2019) Presdiente da República, Jair Bolsonaro, durante desfile Cívico por ocasião do Dia da PátriarFoto: Alan Santos/PR

Desfile longo

A programação começou com a execução do hinos Nacional e da Independência pela fanfarra do 1º Regimento da Cavalaria de Guardas dos Dragões da Independência, com coral dos alunos do Colégio Militar de Brasília.

Os desfiles começaram com a participação de crianças e bandas de escolas ou programas das Forças Armadas em Brasília. Entre os destaques da programação, estavam a Pirâmide Humana do Batalhar de Polícia do Exército de Brasília, que detém o recorde mundial de ter reunido 47 militares em uma única moto, e o encerramento com a esquadrilha da fumaça.

Por volta das 10h, o presidente quebrou um protocolo que durava mais de 30 anos: desceu da tribuna e se juntou ao desfile acompanhado de um forte esquema de segurança. Parte do publicou comemorou: “Bolsonaro, cadê você? Eu vim aqui só para te ver”. Ele andou pela Esplanada e cumprimentou o público.

Em uma das arquibancadas, em que estão crianças que participam de um projeto das forças armadas, ele foi ovacionado aos gritos de “Mito”. Depois, foi até a banda dos Dragões da Independência e fez as vezes de maestro, regendo a banda. Bolsonaro agradeceu os músicos e voltou para a tribuna, para permitir que o desfile terrestre fosse retomado. O ministro Sergio Moro o acompanhou no trajeto.

Questionado sobre a quebra de protocolo após o desfile, quando já estava no Palácio da Alvorada, o presidente minimizou o ocorrido, embora concordou que “assustou” a segurança com a atitude. “É um pequeno risco que a gente corre, mas ajuda a despertar mais o sentimento patriótico do brasileiro”, declarou.

Ainda durante o desfile, o público nas arquibancadas quis interagir com o apresentador Silvio Santos. Gritaram “Silvio, Silvio”. O apresentador e sua esposa responderam com acenos, o que agradou muito a plateia. O empresário Luciano Hang também foi chamado e, quando caminhou pela pista junto de Bolsonaro, passava aos pulos “animando” os presentes.

O desfile prosseguiu com a exibição militar: bandas, tropas e veículos, de diferentes corporações, passaram pela Esplanada. Tanques de guerra chamaram a atenção do público, que ainda viu vários outros tipos de carros das Forças Armadas.

O evento foi encerrado pouco antes do meio-dia. O presidente seguiu, no carro oficial, para o o Palácio da Alvorada. À noite, Bolsonaro viaja par São paulo, onde se submeterá, no domingo, a uma cirurgia para corrigir uma hérnia em cicatriz, causada pelas outras cirurgias pelas quais passou por causa da facada.

Ao retornar ao Alvorada, Bolsonaro era esperado por um grupo de pessoas e conversou com os jornalistas. Mais uma vez, parabenizou todos os brasileiros pela data, e disse que houve um renascimento, pelas comemorações pela Independência e falou sobre preservar a liberdade.

Quando questionado sobre a cirurgia, disse que está seguindo as recomendações médicas há dois dias e que tudo ocorrerá bem. O vice-presidente, Hamilton Mourão, assume o cargo e fica até quinta-feira na função. “Eu queria voltar antes, mas acho que vai ser meio difícil”, disse Bolsonaro.

Fonte gazetadopovo
você pode gostar também