Bolsonaro diz que Doria e Luciano Huck ‘mamaram na teta’ dos governos do PT

Falou sobre a chamada ‘caixa-preta do BNDES’

Fizeram empréstimos para compra de jatinho

‘Não foi ilegal a compra, reconheço. Mas poxa’

Tempo estimado para leitura: 4 minuto(s)


Em live no Facebook nesta 5ª feira (29.ago.2019), o presidente Jair Bolsonaro disse que o governador de São Paulo, João Doria, e o apresentador Luciano Huck “mamaram” nas “tetas” dos governos do PT, do ex-presidente Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

Bolsonaro destacou que os 2 estão na lista divulgada pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), em 19 de agosto, que mostra 134 empresas que fizeram financiamento junto ao banco para a compra de  jatinhos executivos da Embraer de 2009 a 2014.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

“Olha a caixa-preta do BNDES aparecendo. Apareceu aquela galerinha da compra de aviões por 3% 3,5% ao ano. Que teta, ein? Que isso, ein, Luciano Huck, que teta, ein? (…) Não foi ilegal a compra, reconheço. Mas, poxa. Só pra peixe”, disse.

“João Doria também comprou, João Doria. Comprou também Doria? Explica isso aí. Só peixe amigão do Lula, da Dilma, e depois eu vejo Doria de vez em quando falando: ‘a minha bandeira jamais será vermelha’. É brincadeira, né. Quando ele tava mamando a bandeira era vermelha com o foice e o martelo”, completou o presidente antes de soltar 1 grito.

Na transmissão, Bolsonaro estava acompanhado do ministro Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e da intérprete de libras Elisângela Castelo Branco.

Doria e Luciano Huck são 2 possíveis adversários de Bolsonaro na eleição à Presidência de 2022.

De acordo com a lista divulgada pelo BNDES, Luciano Huck fez 1 empréstimo por meio da Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda, empresa da qual o apresentador e a mulher, a também apresentadora Angélica, são sócios. O valor foi de R$ 17,7 milhões para a compra de jatinho particular.

Já Doria, para a compra fez 1 empréstimo de R$ 44 milhões por meio da Doria Associados Consult. e Com. Ltda., em 2010.

Assista ao momento da fala de Bolsonaro (1min09seg):

OUTROS ASSUNTOS

Na live, Bolsonaro também afirmou que pretende conceder indulto de Natal a policiais “presos injustamente” por matarem em serviço. Ele disse esperar que a equipe do governo verifique a legalidade para possibilitar a medida até o final do ano.

Também voltou a fazer críticas ao presidente francês Emmanuel Macron, devido às suas falas sobre as queimadas e desmatamento na Amazônia. Disse ainda que o valor oferecido pelo G7 –grupo do qual a França faz parte– para o Brasil e demais países atingidos por incêndios é como uma “esmola”.

“Tivemos 1 encontro na 3ª feira com os governadores da região da Amazônia e ali só 1 falou em dinheiro, aquela esmola oferecida pelo Macron. O Brasil vale mais que US$ 20 milhões, pelo amor de Deus”, afirmou.

O presidente ainda falou sobre sua relação com o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). Disse que “não há problema nenhum”entre os 2 e que o ex-juiz da Lava Jato continuará no posto de ministro.

Ele é 1 colaborador. Tenho nenhum problema com Moro”.

O presidente também falou sobre o projeto da lei de abuso de autoridade, o qual tem que decidir se veta ou sanciona até 5 de setembro.

“O ministro Sergio Moro está propondo, se eu não me engano, em 9 vetos. E tem outras pessoas propondo. A gente vai analisar e decidir”, disse.

E ainda, rebateu críticas sobre a possibilidade de ele vetar partes do projeto e disse que se fosse 1 outro presidente, “da esquerda”, já teria sancionado o texto.

“Tem 1 pessoal dizendo: ‘se é veto total eu nunca mais voto em você’. Ô cara, se você não tem consciência da responsabilidade que eu tenho na minha caneta, não vote mesmo. Vote na esquerda no futuro. O projeto lá tem dezenas de artigo. Bons artigos a gente vai deixar lá. Se você achar que a gente tem que vetar tudo, paciência. Se tivesse 1 outro cara aqui, que concorreu comigo, já tinha sancionado isso aí”, disse.

Eis outros assuntos:

  • Doação para hospital: Bolsonaro criticou notícias que informam que, apesar de ele ter prometido, não destinou R$ 2 milhões à Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG), hospital para qual foi levado quando levou uma facada em setembro de 2018. “‘Ô Imprensa sem vergonha, meu Deus do céu”, disse. “Fizemos de tudo, não conseguimos amparo na lei e ponto final para conseguir doar esse recurso para Santa Casa de Juiz de Fora. Não é que eu prometi e não cumpri, eu não tive amparo, quer que eu arranje R$ 2 milhões agora?”, completou;
  • Veto a punição para divulgação de fake news eleitoral: Bolsonaro comentou sobre a decisão do Congresso de derrubar veto presidencial sobre o trecho que endureceu a pena para os crimes de denunciação caluniosa com propósito eleitoral. O presidente disse que “acontece” de alguém divulgar fake news e que agora estas pessoas estão sujeitas a pena de 2 a 8 anos. O presidente ainda pediu para as pessoas irem atrás do deputado que apresentou o destaque para que o veto dele fosse analisado. “Vão cair pra trás”, disse, em referência a Kim Kataguiri (DEM-SP). “Divulguem o nome dele e questionem”,disse;
  • Críticas a jornalistas da Rede Globo: Durante a live, Bolsonaro fez críticas ao jornalista Merval Pereira, que no domingo (25.ago) contestou o presidente sobre palestras, e listou novamente os valores cobrados por jornalistas da Globo para o mesmo fim. “Pessoal da Globo vive me perseguindo. As eleições já acabaram, chega pô, já encheu o saco”, disse. “Só péssima notícia o tempo todo, estão perdendo a credibilidade e não é de hoje”, falou ao criticar reportagens sobre seu governo.

Fonte
você pode gostar também
×