Trump pede que chefe de órgão responsável por transição com Biden faça os ‘protocolos iniciais’

Emily Murphy, chefe da Administração de Serviços Gerais, enviou carta à equipe do democrata para 'disponibilizar recursos e serviços' relacionados ao processo.

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, disse pela primeira vez em sua conta no Twitter que recomenda que seja “feito o que precisa ser feito” em relação “aos protocolos iniciais” da transição para o governo de Joe Biden.

Nesta segunda-feira (23), de acordo com a publicação de Trump, a agência federal americana responsável pela transição informou em uma carta à equipe de Joe Biden, presidente eleito, que poderia iniciar formalmente a transição de governos.

“Eu levo esta função a sério e, por causa das questões recentes envolvendo desafios legais e certificações de resultados eleitorais, estou enviando esta carta hoje para disponibilizar esses recursos e serviços a vocês”, escreveu Emily Murphy, chefe da Administração de Serviços Gerais (GSA, sigla em inglês).

Mesmo com a sinalização para o início de uma transição entre governos, Trump não reconheceu a vitória de Joe Biden. Há mais de duas semanas, quando foram divulgadas as projeções de vitória para o democrata, o presidente republicano questiona a contagem dos votos e nega que tenha perdido as eleições presidenciais, além de dificultar os protocolos para a transferência de cargo.

 

O tuíte de Trump sobre a transição foi publicado no mesmo dia em que o presidente sofreu mais uma derrota em sua tentativa de reverter o resultado das urnas.

Nesta quinta-feira, Michigan certificou que Biden foi o vencedor naquele estado. O Comitê Nacional Republicano e o Partido Republicano de Michigan tinham pedido que a certificação fosse adiada para permitir uma auditoria das cédulas do condado de Wayne, que inclui a cidade de maioria negra Detroit.

A campanha de Trump chegou, inclusive, a tentar parar a contagem de votos em Michigan, mas desistiu da ação na semana passada.

Transição ‘suave e pacífica’

 

Enquanto isso, a equipe de transição de Joe Biden informou que as primeiras medidas adotadas no novo governo estarão relacionadas às respostas à pandemia da Covid-19 e às questões de segurança nacional americanas.

Após a divulgação da autorização, o diretor da equipe de transição de Biden, Yohannes Abraham, emitiu um comunicado, no qual diz que a administração da GSA reconhece Joe Biden e Kamala Harris como aparentes vencedores da eleição, fornecendo à próxima administração “recursos e apoio necessários para uma transição de poder suave e pacífica”.

“A decisão de hoje é um passo necessário para começar a encarar os desafios que nosso país enfrenta, incluindo manter a pandemia sob controle e trazer nossa economia de volta aos trilhos”, diz ainda o texto.

Fonte globo
você pode gostar também