Altos funcionários de EUA e China se reunirão no Havaí, diz imprensa

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, vai se reunir com um alto funcionário chinês no Havaí na quarta-feira. Serão as primeiras negociações de alto nível desde que as tensões aumentaram entre os dois países devido à pandemia de coronavírus, segundo informações da imprensa.

Pompeo se encontrará com o oficial de política externa chinês Yang Jiechi, disse o South China Morning Post, citando uma fonte não identificada. O Politician e a CNN também informaram sobre a reunião, que segundo a rede de televisão, ocorrerá na Base da Força Aérea de Hickam, perto de Pearl Harbor. O Departamento de Estado não comentou as reportagens.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que “mais informações serão fornecidas quando estiverem disponíveis” e que os dois países estão “mantendo as comunicações por canais diplomáticos”, de acordo com uma publicação do Global Times.

Será a reunião presencial mais importante entre as duas nações desde janeiro, quando o vice-primeiro-ministro Liu se encontrou com o presidente Donald Trump na Casa Branca para assinar a primeira fase de um acordo para encerrar as crescentes tensões comerciais.

Mas o atrito se intensificou desde então, quando o governo Trump, com Pompeo no comando, culpou repetidamente a China pela pandemia de COVID-19.

Trump, questionado por sua resposta à crise da saúde, sinalizou a censura da China a informações sobre o vírus quando o surto surgiu em Wuhan.

Pompeo insistiu em uma teoria, rejeitada por grande parte da comunidade científica, de que o vírus provém de um laboratório em Wuhan, e não de um mercado de animais exóticos, como se acredita amplamente.

Enquanto Trump se refere ao presidente chinês Xi Jinping em termos amigáveis, seu governo vê cada vez mais a potência asiática como um inimigo, e o Partido Republicano se apresenta altamente crítico de Pequim na campanha para as eleições presidenciais de novembro.

O governo Trump também tomou medidas em resposta à pressão da China por uma nova lei de segurança em Hong Kong, onde ativistas pró-democracia temem danos às liberdades.

Espera-se que Trump, em breve, converta em lei um projeto, que tem amplo apoio no Congresso, que estabelece sanções contra autoridades chinesas por supostos abusos na região oeste de Xinjiang.

Ativistas e testemunhas estimam que pelo menos um milhão de uigures e outros muçulmanos turcos foram detidos em campos de lavagem cerebral, o que a China nega.

A potência asiática respondeu recentemente com críticas aos Estados Unidos por racismo e brutalidade policial após protestos pelo assassinato de George Floyd.

Fonte yahoo
você pode gostar também