Parada LGBT+ em SP reúne público com shows e atos políticos

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


A 26ª edição da Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo voltou às ruas neste domingo (19.mai.2022), depois de 2 anos realizada de forma virtual por causa da pandemia de covid-19. O público acompanhou 19 trios elétricos com apresentações musicais de artistas como Pabllo Vittar, Ludmilla e Luísa Sonza.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

O evento também registrou manifestações políticas contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). O tema da parada foi “Vote com Orgulho – Por uma Política que Representa”, em referência às eleições de outubro deste ano.

A Prefeitura de São Paulo e a PM do Estado não divulgaram estimativa de público. Fotos aéreas mostram a avenida Paulista ocupada desde a rua Peixoto Gomide, na altura do parque Trianon, até a rua da Consolação.

O público começou a chegar por volta das 12h. Segundo a Prefeitura de São Paulo, cerca de 80% da rede hoteleira esteve ocupada para o evento, um dos mais importantes para o turismo da capital paulista. A expectativa é movimentar cerca de R$ 400 milhões.

Considerada a maior parada LGBT+ do mundo, a atividade integra o calendário oficial de eventos da Prefeitura de São Paulo. É realizada pela APOLGBT-SP (Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo), e também conta com o apoio institucional do Governo de São Paulo. A última edição presencial, em 2019, movimentou R$ 403 milhões na economia paulistana, segundo a Secretaria de Turismo. Aproximadamente 3 milhões de pessoas participaram.

A PM paulista informou que mobilizou 2.000 policiais, 250 viaturas, 60 cavalos, além de cães e aeronaves. A corporação gravou imagens aéreas do evento. Quase 300 guardas civis metropolitanos também atuaram no evento. O trânsito na avenida foi liberado para circulação de veículos por volta das 19h.

Veja no Twitter
twitter

Imagem captada pelo drone da Polícia Militar destaca o ponto de maior concentração de participantes da parada. pic.twitter.com/xLDbepc1wx

— Polícia Militar do Estado de São Paulo (@PMESP) June 19, 2022

Também se apresentaram nos trios elétricos da Parada artistas como Jojo Todinho, Tiago Abravanel, Gretchen, Pocah, Lexa, Liniker, Mateus Carrilho e MC Rebecca.

Manifestações contra Bolsonaro

O evento teve protestos contra o presidente Jair Bolsonaro realizados pelo público, que levou cartazes escrito “Fora, Bolsonaro” e gritaram xingamentos contra o chefe do Executivo. Políticos como Orlando Silva (PC do B –SP) e Guilherme Boulos (Psol–SP) também se manifestaram nas redes sociais:

Veja no Twitter
twitter

EI BOLSONARO, VAI TOMAR NO CU!! #paradalgbt pic.twitter.com/K7GFIF0HHk

— Tati 🚩🚩🚩🚩 (@Tatibertini) June 19, 2022

 

O deputado federal Orlando Silva (PC do B-SP) e o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos (Psol-SP) também participaram e fizeram falas críticas ao presidente.

Veja no Twitter
twitter

Essa Parada LGBTQIA+ é o começo da caminhada que vai até outubro para derrotar Bolsonaro e eleger @LulaOficial presidente! Viva a diversidade! #ParadaLGBT #paradasp pic.twitter.com/ga3pcjZIv4

— Orlando Silva (@orlandosilva) June 19, 2022

 

Veja no Twitter
twitter

Hoje na Parada LGBT de São Paulo! Por uma sociedade onde todas as formas de amor sejam respeitadas e valorizadas! pic.twitter.com/c0m80CQg4D

— Guilherme Boulos (@GuilhermeBoulos) June 19, 2022

você pode gostar também