“Não há preconceito. Eu apenas expliquei erros do sistema”, diz Guedes

Explicou caso de filho de porteiro“O Brasil está com a alma doente”“Contei um episódio que foi real”“Às vezes penso se vale a pena”“Querem me tornar um monstro”

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O ministro da Economia, Paulo Guedes, explicou ao Poder360, nesta 5ª feira (29.abr.2021), a declaração que fez sobre desvios de finalidade do Fies, o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, programa do Ministério da Educação que banca o pagamento para estudantes em universidades privadas.

A fala controversa foi dita durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar, na 3ª feira (27.abr.2021). Na ocasião, ele citou que o porteiro do prédio onde mora teria confessado que um dos filhos entrou na faculdade e estudava com Fies, apesar de ter tirado nota zero no Enem.

“Eu estava dando um exemplo sobre como a presença do ensino privado cresceu no país, porque isso é inevitável. Mas que junto com isso às vezes vêm desvios e instituições caça-níqueis que apenas querem o dinheiro do Fies e têm pouco interesse em instruir as pessoas. Aí pegam essa minha declaração, de uma reunião privada que eu nem sabia que estava sendo gravada, e querem sugerir que há preconceito. Não há. Claro que não”, disse Guedes.

Depois da divulgação do áudio com a fala de Guedes, políticos de oposição e pessoas beneficiadas pelo Fies foram às redes sociais criticá-lo.

O ministro demonstrou desânimo ao explicar o episódio.

“As pessoas às vezes parecem não querer entender. Há muita descontextualização. Sabe, eu acho que parte da mídia, uma parte do Brasil e muitas pessoas estão com a alma doente. Esse episódio aconteceu. O porteiro de meu prédio no Rio disse que o filho havia recebido uma carta de uma universidade dizendo que havia sido admitido. Era um menino trabalhador. Mas na carta estava escrito que a média dele havia sido zero no vestibular. O que era isso? Era possivelmente uma instituição caça-níquel, querendo matricular o rapaz para pegar o dinheiro do Fies. Eu não quis de maneira alguma falar algo demeritório sobre o porteiro, claro. Estava dando um exemplo. Mas as pessoas preferem distorcer tudo”.

 

 

Paulo Guedes tem sido criticado por políticos no Congresso, que entendem faltar sensibilidade do ministro para gastos necessários. Na mídia, Guedes também é alvo de críticas constantes.

“Às vezes eu penso se vale a pena fazer o que estou fazendo. Eu estou aqui para ajudar o Brasil. Mas é muito difícil. Quando falei que as pessoas querem viver mais, até 100 anos, foi outro exemplo sobre o avanço da tecnologia e a dificuldade apenas para o setor estatal conseguir dar conta da demanda”.

A declaração sobre longevidade dos brasileiros foi esta: “Todo mundo quer viver 100 anos, 120, 130” e “não há capacidade de investimento para que o Estado consiga acompanhar”.

A fala sobre a expectativa de vida das pessoas também foram feitas durante a reunião do Conselho de Saúde Suplementar. Uma parte do encontro foi gravada e também transmitida numa rede social, sem que Paulo Guedes soubesse –por isso o conteúdo ficou conhecido.

A afirmação mais destacada na mídia do encontro da 3ª feira foi que o coronavírus teria sido “inventado” na China. O ministro acabou explicando o contexto da fala no próprio dia, dizendo que usou uma “imagem infeliz” para falar da pandemia.

“Era uma reunião que deveria ter sido privada e nessas ocasiões é claro que às vezes há uma simplificação do que é dito. Mas, mesmo assim, quem ouvir com cuidado sabe que não há preconceito nem nada. Só um desejo de explicar a conjuntura e ajudar o Brasil a entender o que se passa para ficar mais desenvolvido. Mas as pessoas não entendem. É uma sucessão de interpretações erradas. Daqui a pouco querem me tornar um monstro”, diz Guedes.

Fonte poder360
você pode gostar também