Ministros da China e do Brasil terão conversa sobre vacinas contra a covid-19

Marcada para 6ª feira (9.abr.2021)Os 2 países buscam reaproximaçãoPróximo passo do Itamaraty: EUA

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O ministro Carlos França (Relações Exteriores), marcou conversa virtual com Wang Yi, que tem o mesmo cargo na China. Será às 22h desta 6ª feira (9.abr.2021) no Brasil (10h do sábado no horário chinês).

Em seu discurso de posse na 3ª feira (6.abr), França usou o termo “diplomacia da saúde” para dizer que seu ministério buscará ativamente vacinas e remédios junto a governos. O contato com o chinês é um dos primeiros movimentos nessa direção.

Ernesto Araújo, antecessor de França, caiu depois de ser cobrado por senadores sobre atitudes hostis ao Império do Meio.

Lembre alguns dos incidentes diplomáticos entre o atual governo brasileiro e os chineses:

  • 18.mar.2020 – O então presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) culpou o país asiático pela pandemia. O embaixador chinês respondeu atacando o deputado. Ernesto Araújo exigiu uma retratação;
  • 4.abr.2020 – o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, insinuou que o país asiático teria ganhos com a pandemia. A embaixada afirmou que a fala foi “fortemente racista”;
  • 21.out.2020 – Bolsonaro cancelou a compra da CoronaVac pelo Ministério da Saúde (“Alerto que não compraremos vacina da China“). Chamou o imunizante de “vachina“;
  • 23.nov.2020 – Eduardo Bolsonaro acusou a China de espionagem por meio do 5G. A embaixada chinesa criticou a declaração. O Itamaraty treplicou dizendo que a resposta foi “ofensiva”;
  • 26.dez.2020 – O presidente Jair Bolsonaro compartilhou texto sugerindo que a China faz pesca “criminosa”;
  • 28.mar.2021 – Ernesto disse que o Senado o teria poupado se tivesse dado declaração pró-China no 5G. Congressistas criticaram a fala.

EM BREVE, EUA

Carlos França também já iniciou tratativas para ter uma reunião com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. Será uma forma de reconstruir a relação entre Brasil e norte-americanos na era pós-Donald Trump.

ANÁLISE

A conversa entre os ministros do Brasil e da China marcará uma volta ao normal da diplomacia.

A política externa do Brasil costuma ser insossa, sem foco em resultados comerciais. Mas pelo menos não criava encrenca até antes de Ernesto Araújo. O que já era ruim ficou pior com ele.

A nomeação de Carlos França para o Itamaraty supera um impasse.

Houve escalada da acidez retórica dos 2 lados. Depois do ataque de Eduardo Bolsonaro no início de 2020, a  Embaixada da China no Brasil respondeu de forma agressiva. Disse que o filho do presidente havia contraído “um vírus mental”.

Ernesto foi para cima. Disse que os diplomatas brasileiros não usam redes sociais para reclamar dos países onde trabalham. O fato é que não é comum ataques de filhos de presidentes a governos de outros países.

As altercações continuaram. O governo brasileiro fechou as portas ao embaixador chinês, Yang Wanming. O Itamaraty chegou a pedir à China que o substituísse. A recusa veio com uma mensagem: quem deveria sair era Ernesto.

Em março, o chanceler foi massacrado em uma sessão no Senado. Depois, insinuou que a presidente da Comissão de Relações Exteriores da Casa, Kátia Abreu (PP-TO), fazia lobby para os chineses. A essa altura já estava cavando a própria demissão.

França é um diplomata clássico. Tratará da reaproximação com os chineses como se nunca tivesse havido distanciamento, que é o melhor a ser feito. Também fará isso com os EUA, como se Bolsonaro não tivesse torcido deliberadamente pela reeleição de Trump.

Para os governos da China e dos EUA não há inconveniente. É a volta ao normal que todos preferem.

Daqui para a frente há uma certeza: Carlos França traz a diplomacia brasileira para o plano da normalidade.

TEMER & EMBAIXADOR

O ex-presidente Michel Temer participará de evento virtual na 2ª feira (14.abr) com o embaixador chinês no Brasil. Temer e Yang Wanming devem falar sobre a demora na entrega dos insumos, que acabaram na 4ª feira (7.abr) no Butantan. A instituição é responsável pela fabricação da CoronaVac no Brasil.

Fonte poder360
você pode gostar também