Ministro da CGU chama Simone Tebet de “descontrolada”, e CPI decide investigá-lo

Depoimento do ministro da CGU acaba em bate-boca generalizado; assista ao vídeo

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), Wagner Rosário, chamou a senadora Simone Tebet (MDB-MS) de “totalmente descontrolada” depois que a congressista o questionou sobre o caso Covaxin nesta 3ª feira (21.set.2021) e disse que ele era um “engavetador” de investigações sobre o governo federal.

Rapidamente, a discussão escalou para um bate-boca generalizado, em que senadores acusaram o ministro de machismo e de ser um “moleque de recados” do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ao fim da confusão, com Rosário já fora do plenário da CPI, a comissão mudou sua condição no inquérito de testemunha para investigado, e o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), encerrou a sessão.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Veja o vídeo do momento em que se iniciou a confusão:

Ao sair do plenário, Tebet afirmou que o episódio era “página virada” depois de, segundo ela, Rosário ter reconhecido que se exaltou e feito um pedido “privado” de desculpas.

“Esta é uma Casa que não aceita desrespeito, não aceita arrogância, não aceita petulância e não aceita mentiras. Então, isso é muito importante deixar para os próximos que virão [depor à CPI], é o momento de serenar, ele não só insistiu no erro em relação a outros parlamentares que se exaltaram…eu disse para ele serenar e ele fez um pedido ali [de desculpas] privado embora deveria ser público, mas para mim é página virada”, disse a líder da bancada feminina no Senado a jornalistas.

O clima começou a esquentar logo depois da exposição de Tebet sobre supostas irregularidades em faturas internacionais, conhecidas como “proforma invoices”, que a Precisa Medicamentos apresentou ao Ministério da Saúde durante o processo de negociação da Covaxin.

A senadora afirmou lamentar o “papel” que Rosário estaria fazendo, dizendo que não cabia a ele atuar como advogado do presidente da República nem do Ministério da Saúde, e, sim, como chefe de um órgão de fiscalização e prevenção à corrupção. “Esse episódio de hoje me lembrou um pouco que nós já tivemos um procurador-geral da República engavetador também, e agora nós temos um controlador-geral da União que também passa pano, deixa as coisas acontecerem”, declarou.

Rosário iniciou sua resposta afirmando que Tebet deveria reler todo o processo da Covaxin e que ela havia dito “várias inverdades”. A senadora voltou imediatamente ao microfone para retrucar que ele não poderia mandá-la ler os documentos de novo, apontando que o gesto desrespeitava seu trabalho e o de sua assessoria.

“Todo o clima está exaltado”, interveio o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). A tentativa de colocar panos quentes na situação não adiantou.

Diante da reação do chefe da CGU, Tebet disse que ele estava agindo como um “menino mimado”. Foi então que o ministro disse as palavras que entornaram de vez o caldo no plenário da CPI: “A senhora está totalmente descontrolada”.

Imediatamente, os senadores Otto Alencar (PSD-BA), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Rogério Carvalho (PT-SE) saíram em defesa de Tebet, acusando Rosário de machismo.

Otto Alencar chamou-o repetidamente de “moleque de recados” que não estaria na CGU por mérito, mas sim por “favor” de Jair Bolsonaro (sem partido). “Respeite a senadora, seu moleque”, insistiu o senador.

Em meio ao bate-boca, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) tentava gesticular em direção ao presidente da CPI, Omar Aziz, fazendo com as mãos um sinal de “T”, para que ele desse um “tempo”, ou seja, suspendesse a sessão.

Na sequência, um dos advogados que acompanhavam Rosário se aproximou de Aziz e encostou em seu ombro para, aparentemente, chamar sua atenção. O presidente da CPI reagiu se afastando do advogado e falando: “Sai daqui!”

Nesse meio-tempo, uma multidão de senadores já havia se aproximado da tribuna. Alessandro Vieira buscou acalmar o presidente da CPI, que continuava revoltado com a forma como o advogado de Rosário o abordara. A poucos metros da cadeira de Aziz, Otto Alencar mantinha o dedo em riste, próximo ao rosto de Rosário, enquanto seguia discutindo fora do microfone com o ministro-chefe da CGU.

Fonte poder360
você pode gostar também