Governo brasileiro desafia DiCaprio após críticas sobre Amazônia

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, desafiou nesta quinta-feira Leonardo DiCaprio a “pôr seu dinheiro” a serviço da preservação da Amazônia, causa que o ator americano, crítico do governo de Jair Bolsonaro, defende com ardor.

“Querido @LeoDiCaprio, o Brasil está lançando Adopt1Park, projeto de preservação que permite a você ou qualquer outra empresa ou indivíduo escolher um dos 132 parques na Amazônia e patrociná-lo diretamente a 10 euros por hectare ao ano. Vai pôr seu dinheiro?”, questionou o ministro no Twitter. A mensagem, escrita em inglês, foi compartilhada por Bolsonaro.

DiCaprio divulgou ontem na rede social a campanha “Defundbolsonaro.org”, lançada por ONGs que pedem que qualquer investimento no Brasil dependa de compromissos firmes com a preservação da Amazônia. No mês passado, o vice-presidente Hamilton Mourão convidou o ator a realizar uma travessia de pelo menos “oito horas” pela Amazônia para “entender melhor como as coisas funcionam”.

O governo brasileiro busca rebater as críticas por seu apoio à abertura de áreas protegidas e reservas indígenas da Amazônia a atividades de mineração e agropecuárias.

Salles compartilhou hoje um vídeo em inglês de uma associação de pecuaristas do Pará intitulado “A Amazônia não está queimando”, mas as imagens foram alvo de chacota quando internautas perceberam que em suas paisagens verdes aparecia um mico-leão-dourado, típico da mata atlântica do litoral brasileiro, mas ausente da Floresta Amazônica.

Satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectaram 29.307 focos de incêndio na Amazônia em agosto, 5% a menos do que no mesmo mês de 2019, quando o recrudecimento dos incêndios provocou uma crise internacional.

A situação este ano é ainda mais grave no Pantanal, onde o número de incêndios identificados desde janeiro (12.567) supera o de todo o ano de 2005, quando foi registrado um recorde.

lg/js/lb

você pode gostar também