Diretor-geral do ONS descarta possibilidade de racionamento em 2021

Luiz Carlos Ciocchi diz, entretanto, que 2022 será de situação hídrica “difícil”e “bastante preocupante”

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Mesmo com os reservatórios com os menores níveis da série histórica, o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Carlos Ciocchi, descartou a possibilidade de racionamento de energia elétrica no país em 2021. Ciocchi foi entrevistado pela CNN nesta 4ª feira (6.out.2021).

Segundo ele, o atual sistema elétrico é “robusto” e que, com todas as medidas adotadas pelo governo, “não há a menor possibilidade de racionamento”.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

De acordo com o diretor-geral, o ONS e o governo implementaram 35 tipos de ações, desde outubro de 2020, para garantir segurança ao SIN (Sistema Interligado Nacional).

Apesar de ter descartado a possibilidade de racionamento, Ciocchi afirmou que a situação hídrica de 2022 será “difícil”e “bastante preocupante”, mesmo com as indicações de que a estação de chuva não atrasará. “Mas temos certeza que venceremos essa batalha”, disse.

Sobre a possibilidade de apagão de energia em horários de maior consumo, Ciocchi também disse que “esse perigo está afastado”.

O Brasil enfrenta a maior crise hídrica em 91 anos. O governo descarta a possibilidade de racionamento de energia. O Ministério de Minas e Energia adotou medidas como o acionamento de termelétricas, que custam mais caro e poluem mais, importação de energia de países vizinhos e a redução da vazão de uma série de reservatórios.

O ONS também abriu processo de recebimento de propostas para a contratação de energia de usinas térmicas sem contratos de comercialização e venda de energia. A medida foi anunciada em junho deste ano.

Fonte poder360
você pode gostar também