Presidente da ATM faz giro pelo Sudeste e em Dianópolis acolhe apelo do prefeito José Salomão sobre área da Saúde

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e prefeito de Talismã, Diogo Borges, fez um giro pelo Sudeste do Tocantins para conversar com os prefeitos e prefeitas da região. Na última segunda-feira, 25, se reuniu com o prefeito de Dianópolis, José Salomão, que fez um apelo à ATM para que entidade municipalista busque com o Estado soluções para eventuais problemas que afetam às condições e a oferta de serviços do Hospital de Referência do Município.

“Há falta de médicos, de insumos e de EPIs [Equipamentos de Proteção Individual], além de não possuirmos nenhuma UTI [Unidade de Tratamento Intensivo] ou ala para a realização de hemodiálises, além de termos que deslocar nossas gestantes para o trabalho de parto em outros Municípios. Além disso, precisamos urgentemente de novo aparelho de Raio X” – disse o prefeito.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Reunião

O presidente da ATM reconheceu a importância do Hospital de Referência e disse que sentará com o Estado e a SESAU (Secretaria de Estado da Saúde) em busca de soluções que busquem sanar ou atenuar a situação. “Esse hospital é referência para cerca de 70 mil habitantes da região sudeste e precisa estar apto a preparado para atender com eficiência e prontidão as demandas da região Sudeste”, disse Borges.

Regional

Além de Dianópolis, o Hospital de Referência atende os municípios de Almas, Conceição do Tocantins, Novo Jardim Ponte Alta do Bom Jesus, Porto Alegre do Tocantins, Rio da Conceição, Taguatinga e Taipas do Tocantins.

“A gente precisa parar com o envio constante de pacientes para Porto Nacional ou Palmas, cidades distantes a mais de 300 quilômetros de Dianópolis. Precisamos solucionar as demandas aqui no hospital e, assim, sermos de fato uma referência na região Sudeste”, disse Salomão.

O presidente da ATM assegurou a marcação de reunião com o secretário de Estado da Saúde para apresentar a situação e buscar soluções para a falta de médicos e serviços especializados no hospital de referência. (Da assessoria de imprensa)

Fonte clebertoledo
você pode gostar também
×