Coema mantém multa de R$ 263 mil à empresa responsável por queimar 263 hectares para “facilitar a colheita”

Tempo estimado para leitura: 1 minuto(s)


O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) negou na quarta-feira, 16, recurso interposto por uma empresa agrícola de Pedro Afonso e manteve a multa de R$ 263 mil como penalidade administrativa pela prática irregular de queimada. O fogo atingiu 263 hectares de uma plantação de cana-de-açúcar e supostamente teria sido utilizado pelo produtor para “facilitar a colheita”.

Acompanha parecer do MPE

-- Publicidade --

-- Publicidade --

A decisão do Coema acompanha a sustentação do promotor Francisco Brandes Júnior, que integra o conselho enquanto representante do Ministério Público do Tocantins (MPE). Um parecer pela manutenção da multa foi apresentado pela servidora ministerial Ádria Gomes dos Reis, que integra a Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos do colegiado.

Episódio

A queima irregular ocorreu em setembro de 2015, dentro do período em que o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) veda inclusive as queimadas controladas. No dia do ocorrido, os fiscais do órgão ambiental foram acionados pelo promotor de Justiça Rafael Pinto Alamy.

Fonte clebertoledo
você pode gostar também