Paulo Sousa revela primeira meta no Flamengo, fala sobre lado romântico e avisa: ‘Vamos ser muito felizes’

Técnico está em sua primeira semana de trabalho com o elenco principal do Rubro-Negro

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


A primeira semana de trabalhos de Paulo Sousa como técnico do Flamengo segue a todo vapor no Ninho do Urubu, com treinos iniciados às 8h. E, em meio aos trabalhos, o treinador concedeu uma entrevista à “FlatV” para explanar mais a respeito de sua carreira e pretensões no futebol brasileiro.

Com vínculo até dezembro de 2023 no Fla e uma robusta comissão técnica ao seu lado, Paulo Sousa avisou que a sua primeira meta é dar uma identidade ao time, ciente da necessidade de resultados positivos imediatos.

– Uma equipe de futebol é uma microsociedade, com diferentes modos de pensar e temos que ter regras para caminhar no mesmo sentido, e eu tenho que dar esse sentido. Eles precisam estar tão convencidos quanto eu estou. E tem a ver com trabalho, métodos, lideranças e percepção. A meta mais próxima é fazer com que a equipe crie uma identidade.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

– Pois o nosso clube tem uma cultura de vitória. É exigente por isso. Temos um elenco muito bom, e isso vai facilitar para chegar onde acredito. Precisamos vencer desde o princípio para alcançar o primeiro objetivo logo, como a torcida espera, que é a Supercopa do Brasil, contra o Atlético-MG – completou.

O LADO ROMÂNTICO

– O Flamengo está presente na vida de quem ama o futebol. Tem uma dimensão imensa que abrange os quatro cantos do mundo.

A frase acima foi uma das primeiras em que Paulo Sousa citou o sentimento de amor na entrevista. Desde a contratação do português de 51 anos, a torcida tem brincado sobre o fato de o treinador constantemente expressar o seu lado “romântico”, seja na vida pessoal ou na exigência de um jogo agradável esteticamente, em entrevistas ou nas redes sociais. Veja a resposta de Sousa:

– Sou romântico em todos os sentidos. No futebol é estética, é cultura. Tem a ver com a poesia individual, que tinha o Zico. É a idealização de um amor próprio para com o que fazemos, para com a torcida, e isso tem que estar expresso no nosso jogo. Na vida também sou romântico. Tenho uma mulher extraordinária, que compreende a necessidade que eu tenho nessa profissão. Sou sensível, mas com fortes convicções.

Fonte lance
você pode gostar também