Wolf Maya: “O povo precisa ter fé e sonhar. Por isso o Brasil ama novelas”

Diretor e ator de 'Fina Estampa' fez texto reflexivo em seu Instagram, na noite de quarta-feira (16)

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Wolf Maya, de 67 anos de idade, diretor de núcleo de Fina Estampa, que está de volta am edição especial no horário das 9, usou seu Instagram, na quarta-feira (16), para falar sobre a atual situação do Rio de Janeiro, em meio à pandemia, violência e novos escândalos de corrupção.

“O que mais me diverte em Fina Estampa é aquilo que sei que não faremos mais. Neste Rio de Janeiro assolado por medos e limites, sem a perspectiva de retorno do velho barqueiro e seu robalo, das “marido de aluguel” e dos aplausos ao por do sol, rever nossa Fina Estampa é divertido e nostálgico. E olha que não faz dez anos”, disse ele sobre a trama, exibida originalmente entre 2011 e 2012.

“O que aconteceu com o Rio? …e não culpem somente a pandemia! Em muitos anos de televisão contei tanta história. Talvez esta nem tenha sido a de maior sucesso. Críticos que não escrevem nem encenam nem atuam podem não estar se divertindo tanto quanto o público – pico de 40, o maior de 2020 – que mata a saudade de personagens inesquecíveis.
Vilãs sem camuflagem. Gays sem culpa. Hoje quem ganha na loteria é roubado, taxado e foge do país. Não compra mansão, monta restaurantes, cria empresas e gera empregos.
E tudo ainda acaba com um beijo. O que aconteceu com o Rio?”, completou.

Wolf, que em Fina Estampa também atua como o personagem Álvaro, finaliza com uma mensagem de esperança. “Vamos resistir, meus autores. O povo precisa ter fé e sonhar.
Por isso o Brasil ama novelas.”

(Por Léo Gregório)

Wolf Maya (Foto: Reprodução/Instagram)
Fonte revistaquem
você pode gostar também