Favorito para Fazenda, Haddad defende ‘neutralidade fiscal’ após encontrar Guedes

Ex-prefeito de São Paulo encontrou-se mais cedo com o atual ministro da Economia, Paulo Guedes.

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Favorito para assumir o Ministério da Fazenda, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) defendeu na manhã desta quinta-feira (8) o conceito de neutralidade fiscal na transição de governo. O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva convocou para a manhã de sexta-feira (9) o anúncio de alguns ministros de seu governo.

De acordo com agências de notícias, o nome de Haddad estaria entre os que devem ser anunciados.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Mais cedo, ele encontrou o atual ministro da Economia, Paulo Guedes para falar sobre a transição de governo. O Ministério da Economia deve ser desmembrado em três: Fazenda, Planejamento e Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC).

‘Plano geral de voo’

Segundo Haddad afirmou mais cedo à imprensa, o que se procurou passar na transição é conceito de neutralidade fiscal.

“Ou seja, a despesa em proporção ao PIB de 2023 não pode ser menor que a despesa em proporção ao PIB de 2022, para que não chegue em dezembro do ano que vem com problemas de dezembro deste ano”, afirmou o ex-ministro da Educação após reunião com Guedes.

Haddad afirmou ainda que a reunião com Guedes tratou de um “plano geral de voo“. “Falamos sobre muitos assuntos importantes”, disse o ex-prefeito.

Reforma tributária e novo arcabouço fiscal

Frente à expectativa de ser confirmado na Fazenda, Haddad voltou a defender a reforma tributária e a construção de um novo arcabouço fiscal no país, mas sem detalhar a melhor fórmula para a âncora.

Impasses no Orçamento

O ex-prefeito paulistano ainda afirmou que o maior mérito da aprovação da PEC da transição na quarta-feira no Senado é ter uma solução política para os impasses no Orçamento, que serão tratados na semana que vem entre ele e os secretários do Ministério da Economia para evitar descontinuidade de programas sociais.

De acordo com Haddad, o PT está em diálogo com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e com lideranças da Casa para garantir aprovação da PEC por lá também. “Queremos recuperar uma visão mais institucional do processo político, diminuir tensão entre poderes”, afirmou. “Estamos dialogando com o Congresso, que é parte da solução.”

*Com Estadão Conteúdo

Fonte investnews
você pode gostar também
×