No Congresso, Iván Duque fala em desenvolver Amazônia e integração de indígenas

Presidente colombiano se encontrou com Arthur Lira e Rodrigo Pacheco; defendeu aumentar comércio entre os 2 países

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O presidente da Colômbia, Iván Duque, se encontrou nesta 3ª feira (19.out.2021) com os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), no Congresso Nacional. Os chefes dos Poderes dos 2 países falaram sobre aumento da cooperação comercial e do intercâmbio cultural, além de temas de interesse comum, como o combate ao crime organizado e ao narcotráfico, e a preservação da floresta Amazônica.

Duque defendeu o desenvolvimento sustentável da região amazônica, porção que abrange o território das duas nações. Também disse ser favorável à integração econômica de indígenas em áreas como ecoturismo.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Os encontros foram feitos de forma individual. O presidente do senado foi o 1º a receber a comitiva colombiana, que contou também com ministros e autoridades do país vizinho. À Duque, Pacheco disse que Brasil e Colômbia são “países irmãos” que têm muito para se ajudar mutuamente. Estavam sentados lado a lado, com um tradutor no meio, e os 3 não usavam máscara de proteção contra a covid-19.

O senador falou sobre a possibilidade de fortalecimento de acordos bilaterais. Segundo Pacheco, a parceria comercial, que movimentou cerca de US$ 3,6 bilhões em 2020, “pode ser aumentada com o esforço do presidente Iván Duque e do presidente Jair Bolsonaro, com apoio do Congresso.”

“Tudo quanto tem sido feito de positivo na Colômbia, inclusive protagonizado de maneira principal pela boa condução do presidente, faz com que a Colômbia seja o 2º país mais procurado pelas empresas brasileiras para internacionalização. Isso é fruto da credibilidade, confiança, bom ambiente e boa relação entre os 2 países”, disse o presidente do Senado.

Pacheco também citou as áreas de segurança de fronteiras, combate ao crime organizado e preservação da Amazônia como áreas para parcerias estratégicas entre as duas nações.

Iván Duque deu destaque à questão ambiental em sua fala. Disse que a proteção da Amazônia é um tema que une os 2 países, e que é preciso aproveitar a vocação para o desenvolvimento sustentável do bioma. “Criar empresas sustentáveis, gerar ingresso e integração dos povos indígenas na bio-economia, no ecoturismo. São temas de grande interesse para nós”, declarou.

Duque disse que Brasil e Colômbia defendem a democracia e a iniciativa privada, e que é preciso defender as instituições todos os dias. Disse ser favorável à ampliação da relação comercial entre as nações. O chefe do Executivo da Colômbia declarou que há a possibilidade de elevar investimentos, exportações e importações “a outro nível”.

“Senti muita emoção com empresas colombianas que estão presentes no Brasil, criando empregos, e de fato já temos empresas bi-nacionais, como é o caso do Nubank, criado por um colombiano com uma equipe de sócios brasileiros”, afirmou.

Ao comentar as declarações de Duque, Pacheco disse que, em relação à pauta ambiental: “O Brasil tem seus defeitos, e estamos buscando corrigi-los. […] O país que se arriscar a deixar essa pauta, estará fadado ao insucesso”.

Na sequência, Duque se encontrou com Arthur Lira. O presidente da Câmara disse que existem “grandes afinidades” culturais e comerciais entre os países, e afirmou estar satisfeito com a relação bilateral. Lira usou máscara o tempo todo do encontro, enquanto Duque estava sem a proteção.

O presidente colombiano declarou que acompanhou o trabalho da Casa em aprovar “importantes reformas”, e voltou a destacar a defesa da democracia, liberdades individuais e livre iniciativa, além da defesa do meio ambiente.

Bolsonaro

Mais cedo nesta 3ª feira (19.out), Duque se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro. Eles disseram que os países da região amazônica chegarão unidos à COP 26 (Conferência da Organização das Nações Unidas sobre o clima), em Gasglow, na Escócia, em defesa da floresta.

Bolsonaro defendeu a soberania da “querida, rica e desejada” Amazônia, enquanto Duque, que também falou sobre a soberania da floresta, disse ser favorável à preservação em seu discurso.

Fonte poder360
você pode gostar também