Lira quebra o silêncio e diz confiar no sistema eleitoral

Presidente da Câmara se manifestou pela 1ª vez depois que Bolsonaro colocou a segurança do sistema de votação em dúvida

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), afirmou que a Casa “fala quando é necessário falar“. O recado foi uma resposta ao silêncio de 9 dias depois que o presidente Jair Bolsonaro (PL) atacou o sistema eleitoral em reunião com embaixadores no dia 18 de julho.

“A Câmara dos Deputados fala quando é necessário falar, não quando querem obrigá-la a falar. Eu dei mais de 20 mensagens mundo afora e interna no Brasil de que sempre fui a favor da democracia e eleições transparentes, e que confio no sistema eleitoral“, afirmou durante a convenção nacional do seu partido PP, realizada nesta 4 feira (27.jul.2022) na Câmara dos Deputados.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Lira disse ainda que “as instituições no Brasil são fortes, são perenes e não são e nunca serão redes sociais“.

“Não precisa qualquer movimento público ou político fazer com que isso se apresente sempre de maneira necessária. As instituições no Brasil são fortes, são perenes e não são e nunca serão redes sociais. Não podemos banalizar as palavras das autoridades no Brasil. Não farão isso com a Câmara dos Deputados enquanto eu for presidente”, afirmou.

Bolsonaro colocou a segurança do sistema de votação em dúvida e criticou o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em reunião com embaixadores de países estrangeiros residentes no Brasil.

Durante seu discurso, transmitido em rede nacional, o chefe do Executivo disse que a Justiça Eleitoral tem um comportamento que “não se adequa ao sistema democrático” e mencionou a cassação do deputado bolsonarista Fernando Francischini (União Brasil-PR), o 1º político a perder o mandato por disseminar fake news eleitoral nas redes sociais.

No encontro, Bolsonaro ainda citou supostos documentos da PF (Polícia Federal) que apontam a vulnerabilidade do TSE. “Aquilo é mais do que um queijo suíço, é uma peneira”, disse.

As declarações desencadearam diversas manifestações de políticos. Sem mencionar Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que “a segurança das urnas eletrônicas e a lisura do processo eleitoral não podem mais ser colocadas em dúvida”.

Deputados da oposição acionaram o STF (Supremo Tribunal Federal) acusando Bolsonaro de cometer crime contra o Estado Democrático de Direito por fazer constantemente “infundados ataques” ao sistema eleitoral.

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Edson Fachin, deu 5 dias para Bolsonaro se manifestar em ações de partidos na Corte, que pedem a retirada das redes sociais do vídeo com a apresentação feita a representantes diplomáticos.

Nesse período, Lira não fez nenhuma declaração. Contudo, no dia 24, ele esteve ao lado de Bolsonaro no lançamento da chapa pela reeleição à Presidente.

O presidente da Câmara foi um dos principais articuladores, ao lado do líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), para aprovar projetos de interesse de Bolsonaro no Legislativo.

O mais importante deles foi o pacote de R$ 41,25 bilhões que amplia o valor do Auxílio Brasil, vale-gás, e cria os vouchers para caminhoneiros e taxistas em ano eleitoral.

Auxílio Brasil “perene”

A aprovação do pacote de benefícios foi muito criticada por deputados da oposição, que classificaram a proposta como “eleitoreira”. O texto aprovado pelo Congresso propõe a ampliação do Auxílio Brasil e demais benefícios somente até o final do ano.

Em contraposição, Lira disse na convenção que é necessário encontrar opções dentro do orçamento para “perenizar” o programa social.

“Não deixar o auxílio emergencial de R$ 600 até o final do ano, mas de perenizá-lo com responsabilidade fiscal dentro dos limites orçamentários“.

O presidente da Câmara também sinalizou a votação de projetos importantes depois da eleição, como as reformas tributária e administrativa.

“Temos que fazer discussões nesse país para conseguir votar, ainda neste ano, depois das eleições, sem o tensionamento político, a reforma administrativa e tributária que ainda caducam nesse Congresso“, disse.

Fonte poder360
você pode gostar também
×