Morre Edmundo Galdino, político histórico que foi vereador de Araguaína e deputado federal

Ele foi vereador, deputado estadual por Goiás e federal pelo Tocantins.

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O ex-deputado federal tocantinense Edmundo Galdino, 62 anos, faleceu nesta quinta-feira (22) vítima de insuficiência cardíaca e renal, no Hospital Dom Orione, em Araguaína.

Segundo informações, Galdino estava com problemas de saúde, realizou um procedimento cirúrgico e chegou a ficar na UTI, mas havia apresentado melhoras nos últimos dias. Durante seu tratamento, ele também pegou a covid-19 e se recuperou. A família estava muito confiante na sua recuperação, mas infelizmente ele não resistiu.

Edmundo Galdino passou vários dias internado, inclusive em um hospital de Goiânia (GO).

Devido à pandemia, o velório será restrito aos familiares. O cortejo fúnebre sairá às 09 horas desta sexta-feira (23) da Funerária Araguapax rumo ao cemitério Sao Lázaro, onde Galdino será sepultado.

BIOGRAFIA

Edmundo Galdino da Silva nasceu em Araguaína no dia 28 de outubro de 1958, onde atuou como torneiro mecânico e agropecuarista, além de um conhecido  político.

Filho de Avani Galdino da Silva e Maria Matos da Silva.  Começou na política por meio do movimento estudantil secundarista e prosseguiu em seus tempos universitários como estudante de História na Universidade Federal de Goiás e de Direito na Pontifícia Universidade Católica de Goiás, mas não concluiu as graduações.

Em 1982 foi eleito vereador pelo PMDB de Araguaína e em 1985 foi alvejado por pistoleiros durante uma manifestação pelos agricultores sem-terra e ficou numa cadeira de rodas.

Mesmo nessa situação, Galdino foi candidato a deputado estadual por Goiás em 1986, e ficou na primeira suplência, sendo convocado a exercer o mandato graças à nomeação de parlamentares para o secretariado do governador Henrique Santillo.

Com a criação do Tocantins foi eleito e reeleito deputado federal pelo PSDB em 1988 e 1990 e durante sua estadia na Câmara dos Deputados presidiu o diretório estadual e foi membro do diretório nacional do partido, além de relator de uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre crimes de pistolagem, votou a favor do impeachment do presidente Fernando Collor em 1992.

Atuou como diretor do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) no governo Fernando Henrique Cardoso e voltou a assumir uma cadeira na Câmara Federal após ficar como suplente de deputado federal em 2002.

Edmundo Galdino também foi presidente da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) durante o último mandato do ex-governador Siqueira Campos.

Fonte afnoticias
você pode gostar também