Campeão sul-americano de jiu-jitsu quer representar Araguaína em mundial nos EUA

Medalha de ouro no sul-americano é inédita para o Tocantins.

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


Há 10 anos treinando pesado no jiu-jitsu, Natan Andrade, de 25 anos, acumula resultados de dar orgulho para a cidade de Araguaína. Ele é araguainense por naturalidade e tem o sonho de colocar o município nos registros do campeonato mundial em 2023, na Califórnia (EUA). “Estou me preparando, tenho certeza que esse resultado vem”, comentou o atleta.

A medalha de ouro no sul-americano, recém conquistada em Balneário Camboriú (SC) e inédita para o estado do Tocantins, é motivo de felicidade e estímulo para o campeão, que também comemora seis vitórias consecutivas nos últimos campeonatos em que participou. “Nas últimas competições em que lutei, trouxe medalhas de ouro e minhas conquistas são fruto de muita dedicação e constância: faço 1% nos dias bons e nos ruins também”, afirmou.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Uma curiosidade de Natan é que quando perguntado sobre a quantidade de competições as quais foi campeão, ele não tem números exatos. “Vixe..tiveram anos em que lutei 50 vezes, então é muito difícil quantificar. Mas das 50 mais importantes, acumulo resultados felizes”, comentou.

Natan, Araguaína e o jiu-jitsu 

O competidor araguainense dividiu um pouco da sua história com o esporte. Ele, que é filho da Dona Dionora Andrade, com mais seis irmãos, relata que cresceu no centro da cidade e que, por volta dos 15 anos, se interessou pela arte marcial porque uma turma de amigos vizinhos fazia aula.

“Resolvi ir ver como eram os treinos e na primeira competição na academia perdi para toda a molecada, mas não desisti e fui o único da turma que permaneci praticando, contrariando todos os comentários”, frisou.

O menino que ninguém botava fé surpreendeu no esporte e faz muito mais que competir: ele ensina outras pessoas a magia da luta. “Sou professor de crianças, adolescentes e adultos e, apesar de todas as minhas vitórias, o que me move diariamente é poder ensinar a filosofia desse esporte, aprender com meus alunos e vê-los campeões, seja de competições oficiais ou de superação no dia a dia”, revelou.

Jiu-jitsu é irmandade

Natan vê a modalidade como uma espécie de irmandade, porque todos torcem por todos. “Treinamos juntos, ficamos felizes uns com os outros e queremos levar o nome do esporte e apresentá-lo para outras pessoas”, garantiu.

Enquanto é entrevistado, Natan comenta sobre um colega competidor que está na Irlanda e ganhou ouro na competição, na categoria dele.

“O Jefferson é de Araguaína e está lá, mas poucas pessoas sabem, e nós sabemos que temos potencial e não desanimamos frente às dificuldades. Apoiamos nossos colegas, que nos apoiam também. Quero que Araguaína, nossa cidade, nos veja com a importância que temos e quero muito poder levantar nossa bandeira no mundial, eu e o Jefferson, com campeões”, finalizou.

Fonte afnoticias
você pode gostar também