Governo compra 263 mil toneladas de arroz importado em leilão público

-- Publicidade --

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) adquiriu 263,37 mil toneladas de arroz importado e beneficiado no leilão de compra pública realizado na manhã desta quinta-feira, 6. A estatal divulgou o resultado da negociação em um comunicado no site.

A quantidade adquirida pelo governo está próxima da previsão da Conab de comprar 300 mil toneladas do cereal importado ao preço máximo de R$ 5 por quilo e teve um custo total de R$ 1,316 bilhão. Os lotes arrematados pela companhia tiveram preço mínimo de R$ 4.9899 por quilo e máximo de R$ 5, com média de R$ 4,9982.

Dos 27 locais de entrega propostos pela Conab, não houve interesse dos arrematantes na comercialização do produto para entrega em Manaus, Brasília, Campo Grande (MS), Rondonópolis (MT), Picos (PI), Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), Herval d’Oeste (SC), São José (SC) e Formoso do Araguaia (TO).

Recife, capital de Pernambuco, receberá o maior volume arrematado no leilão, de 30 mil toneladas.

Os municípios de Irecê (BA), Maracanaú (CE), Cachoeiro de Itapemirim (ES), Colatina (ES), São Luís de Montes Belos (GO), Imperatriz (MA), São Luís (MA), Campos Altos (MG), Perdões (MG), Varginha (MG), Ananindeua (PA), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB), Rolândia (PR) e Bernardino de Campos (SP) também receberão os lotes do primeiro leilão do arroz importado em armazéns da empresa pública.

O produto do tipo 1, longo fino, polido e da safra 2023/24 deverá ser entregue pelos produtores até 8 de setembro, em armazéns e superintendências da Conab. O arroz foi adquirido em pacotes de 5 kg, embalado no país de origem com a logomarca do governo federal, conforme edital da empresa pública.

Ainda conforme a Conab, o cereal será comercializado ao consumidor final com preço tabelado de R$ 4 por quilo, sendo R$ 20 cada pacote de 5 quilos.

O produto será distribuído para 21 estados do país e o Distrito Federal. A empresa pública estava autorizada a gastar R$ 2,53 bilhões na operação.

Impasse na compra

A compra pública de arroz importado e beneficiado pelo Executivo tornou-se uma queda de braço entre setor produtivo e governo federal. O Ministério da Agricultura e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) alegam que a medida visa frear o aumento especulativo dos preços do cereal no país, após as perdas registradas nas lavouras gaúchas como medida para enfrentar as consequências econômicas das enchentes do Rio Grande do Sul. Mais cedo, a Advocacia-Geral da União obteve uma decisão favorável do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para manter a realização do leilão.

Entidades do agronegócio argumentam que não há risco de desabastecimento e nem necessidade de recorrer às compras públicas para reequilibrar o mercado. O setor moveu uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a importação de 1 milhão de toneladas de arroz pelo Executivo.

Banner825x120 Rodapé Matérias
Fonte exame
você pode gostar também