Bolsonaro fala em reajuste para “todos os servidores federais” se PEC for aprovada

Afirma que alta da inflação justifica reajuste para servidores e condicionou o aumento à aprovação da PEC dos Precatórios no Senado

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 3ª feira (16.nov.2021) que o governo estuda dar um reajuste para “todos os servidores federais, sem exceção”, caso a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios seja aprovada. Deu a declaração durante visita em Manana, capital de Bahrein.

“A inflação chegou a dois dígitos. Conversei com o [ministro da Economia] Paulo Guedes e, em passando a PEC dos Precatórios, tem que ter um pequeno espaço para dar algum reajuste. Não é o que eles [servidores] merecem, mas é o que nós podemos dar. Todos os servidores federais, sem exceção”, declarou. Vídeo da fala do presidente foi divulgado por canal bolsonarista no YouTube com imagens da TV Brasil, emissora pública.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

O presidente não disse de quanto seria o possível reajuste. Afirmou que os servidores “estão há 2 anos sem reajuste” e que por causa da pandemia da covid-19 o aumento “até se justifica”. Sobre novas vagas de concurso público, o presidente afirmou que o governo viabilizará “apenas o essencial” e mencionou como exemplo as forças policiais.

“Concurso público apenas o essencial, como fizemos com a PF [Polícia Federal] e PRF [Polícia Rodoviária Federal]. Apenas o essencial. Dessa maneira, estamos mostrando responsabilidade”, disse. O presidente também repetiu que a reforma administrativa não deve atingir os atuais servidores públicos.

“No tocante a reforma administrativa, como vocês bem sabem, não atingirão os atuais servidores”, afirmou. O governo articula apoio para aprovar a PEC dos Precatórios no Senado. A proposta parcela dívidas da União e abre espaço no Orçamento para o governo bancar o Auxílio Brasil no valor de R$ 400 para as famílias mais vulneráveis. O valor seria viabilizado por meio de um benefício complementar, que deve ser pago até o fim de 2022, ano eleitoral.

Na 5ª feira (11.nov), depois de anunciar a prorrogação da desoneração da folha de pagamento para os principais setores da economia, Bolsonaro disse que representantes do empresariado vão apoiar a PEC e reforma administrativa, em troca do governo prorrogar a desoneração.

A PEC foi aprovada na Câmara dos Deputados depois de intensa articulação do governo e do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou que a votação da PEC passará pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) nos próximos dias e depois irá ao plenário do Senado, mas não definiu datas.

Fonte poder360
você pode gostar também