Bolsonaro diz que 97% do Japão não quis vacina, mas imunização no país é de 35%

Presidente volta a defender tratamento precoce a apoiadores e a criticar obrigatoriedade da vacinação

Tempo estimado para leitura: 2 minuto(s)


O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (24.jul.2021) que 97% da população do Japão não quis se vacinar contra a covid-19. O chefe do Executivo, porém, não disse qual era a fonte dos dados.

Deu a declaração a apoiadores campistas e motoristas de motorhomes no Palácio da Alvorada quando criticava a obrigatoriedade da imunização e defendia o uso de tratamentos sem eficácia comprovada cientificamente contra a covid.

-- Publicidade --

-- Publicidade --

Segundo o site Our World in Data, o Japão já aplicou 74 milhões de doses até 20 de julho. Isso equivale a 35,3% dos japoneses imunizados com a 1ª dose e 23,3% com a 2ª.

O país asiático atrasou o início da vacinação. Aprovou a 1ª vacina contra a covid-19 em 14 de fevereiro, 1 mês depois do Brasil e 2 meses depois de países como os Estados Unidos.

Bolsonaro disse ainda neste sábado que, se ele coordenasse o combate à pandemia de covid-19, o Brasil teria menos mortes causadas pela doença.

Se eu tivesse coordenando a pandemia, não teria morrido tanta gente. No tratamento inicial, a obrigação do médico em algo que ele desconhece é buscar minimizar o sofrimento daquela pessoa, no tratamento off label”, disse.

Na conversa com os visitantes do Palácio, Bolsonaro questionou ainda a eficácia da CoronaVac, vacina contra a covid-19 cujo uso emergencial foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 17 de janeiro.

Agora eu pergunto para vocês: qual país do mundo faz acompanhamento de quem tomou vacina? Tem gente sofrendo efeito colateral e o que está acontecendo? CoronaVac ainda é experimental e tem gente que quer torná-la obrigatória”.

Fonte poder360
você pode gostar também