Bolsonaro: Auxílio será prorrogado e Bolsa Família deverá aumentar para R$300

Benefício emergencial terá mais “duas ou 3 parcelas”, com valor médio de R$ 250, confirmou o presidente

Tempo estimado para leitura: 3 minuto(s)


O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta 3ª feira (15.jun.2021) a prorrogação do auxílio emergencial em mais “duas ou 3 parcelas”, além da intenção de aumentar o valor do Bolsa Família em cerca de 50% a partir de dezembro, com o valor médio do programa indo a R$ 300.

“Já está definido: mais duas ou 3 parcelas de auxílio emergencial de em média R$ 250. Agora, no tocante ao Bolsa Família nós tivemos uma inflação durante a pandemia, no tocante aos produtos da cesta básica. […] A ideia é dar um aumento de 50% em dezembro, para sair de em média R$ 190 para R$ 300. É isso que já está praticamente acertado aqui”, disse.

As tratativas inicias da equipe econômica previam a possibilidade de aumentar o programa para, em média, R$ 250, cifra menor que a anunciada por Bolsonaro. Segundo o jornal o Estado de S. Paulo, o valor poderia estourar o teto de gastos previsto para 2022.

O presidente deu entrevista ao programa SIC News, do canal SIC TV, afiliada da Record em Rondônia.

Até agora, o governo pagou R$ 17,9 bilhões dos R$ 44 bilhões previstos inicialmente para o auxílio emergencial em 2021, segundo o Portal da Transparência.

A lógica para a prorrogação é que o benefício contemple os mais vulneráveis enquanto não há vacina. Governadores têm estimado que até setembro todos os brasileiros adultos já estarão vacinados.

 

 

ATACA ISOLAMENTO E PÕEM DÚVIDAS EM VACINAS

Na entrevista, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticas medidas restritivas decretadas por Estados e municípios para conter a covid-19. Disse que o governo federal não fechou “um boteco sequer”. Segundo ele, as medidas tiveram grande impacto na pandemia, e poderiam ter sido evitadas. Muitos especialistas discordam desse posicionamento.

Para o chefe do Executivo, o ideal teria sido isolar apenas os idosos, em uma espécie de “isolamento vertical”.

Além disso, o presidente afirmou que as empresas farmacêuticas não sabem por quanto tempo as vacinas poderão prover imunidade contra o coronavírus. E disse que o imunizante CoronaVac, produzido pelo Butantan, em São Paulo, “não tem comprovação científica”. Essa afirmação não procede, uma vez que a fórmula cumpriu todas as fases de pesquisa e teve a autorização para uso emergencial aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“RETOMADA ECONÔMICA”

Para destacar uma possível retomada de setores da economia, o presidente da República citou um infográfico produzido pelo Poder360 com base em dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a partir de informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que mostra que o trabalho por conta própria voltou ao nível do início da pandemia.

Segundo o presidente, até setembro, o governo esperar vacinar 60% da população contra a covid-19. “A gente espera que os governadores não decretem mais medidas restritivas, de modo que a gente possa voltar a normalidade”, completou Bolsonaro.

Fonte poder360
você pode gostar também